quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Costumes

Buscando um lugar tranquilo para descansar, passei o último final de semana em Poços de Caldas - que eu ainda não conhecia. A cidade nem é assim tão pequena, mas ainda preserva uma tranquilidade típica do interior de Minas.

Poços de Caldas ainda carrega alguns valores que a minha cidade atual já perdeu. As famílias frequentam as ruas e praças à noite, parece não existir pressa para nada (nem para falar!), e o trânsito é muito educado. Uma das maiores surpresas foi ver a animação à noite em volta do coreto na praça central, onde as pessoas da cidade dançam ao som da sanfona (não resisti e fiz este vídeo abaixo). Na minha cidade uma iniciativa assim não demoraria a atrair uma horda de bêbados, viciados, e trombadinhas.


Tudo isso serviu para me fazer refletir sobre as coisas que vamos perdendo pelo caminho com o progresso e a evolução dos costumes. Uma cidade do interior é certamente mais segura e tranquila, mas provavelmente mais homofóbica. Em contrapartida, a população da cidade grande está exposta a menos homofobia e mais aceitação da diversidade, mas para isso precisa conviver com a violência, a pressa, e a queda da qualidade de vida. Encontrar o melhor dos dois mundos nem sempre é fácil.

10 comentários:

Anônimo disse...

Penso nisso muito ultimamente.. Estive ano passado numa cidade proxima a Berlin... e a sensação que tive foi de "PAZ"... até mesmo em Berlin.. as coisas pareciam mais calmas que SP. E também em outra cidade pequena da Alemanha, casais de amigos gays andavam de mãos dadas na rua... inveja define!

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

tudo q dissestes é uma verdade plena ... que bom ainda existirem lugares assim ...

Oliveira Santos disse...

Paga-se um preço por alguma situação de vivência, ganha-se por um lado ou perde-se por outro lado, cem por cento seria o paraíso mesmo!!!

Anônimo disse...

moro em uma cidade minuscula, e nao sei se pelo fato de ter formacao e dinheiro, nao sofro homofia e acho que se fosse mais monogamico ou bem casado ( estou solteiro) o interior seria ideal para ficvar longe das putarias, mas sinto falta de cinema, teatro e cultura em geral e tb de ter pessoas mais cultas ao redor para poder conversar, aqui o povo é bem bonzinho, mas bem restrito. abraco

wair de paula disse...

Sempre pesando is dois lados da balança - mas o que nis faz perceber isso é a experiência mesmo.
Abs guri.

Margot disse...

Moro numa cidade pequena. Mas, pelo que posso observar a homofobia não parece ser problema. Pelo menos não se vê noticias (ruins) sobre.
Vê-se muito gays, travestis, trans e lesbicas (e são muitos) pelas ruas, shoppings e no comercio em geral com naturalidade. Gera-se alguma curiosidade, principalmente pela geração mais velha, mas..... o futuro bate à porta, não é possivel permanecer de olhos fechados para sempre.

Abraço Luciano

Dimas disse...

Cidade natal da Nanny People, Poços é bem charmosa e tranquila, estive lá antes da mudança para o Ceará.
Tenho uma amiga que trocou Sampa por
PC e se adaptou muito bem.
Moraria lá tranquilamente, sem medo da homofobia ...

Marcos Campos disse...

Bem legal ! Cidades pequenas tem dessas coisas mesmo. Mas sua observações quanto a homofobia, tenho comigo que seja mesmo o que vc disse, mas não tenho como mensurar hoje. Mas morava numa cidade pequena na minha adolescencia e não era fácil não.
Sempre quando leio algo sobre Poços, lembro de uma amigo que tenho que é de lá e que foi amigo de infancia da Nanny People, que também é de lá ...
Hug !

Anônimo disse...

Foi em Poços que ambientaram a novela Livre Para Voar, sucesso dos anos 80 na Globo, já vi Nanny People dizer numa entrevista que ela recebeu até homenagem por lá, parece ser um lugar aprazível.

varzo disse...

Moro em uma cidade do interior de Minas bem menor que Poços e posso garantir que aqui nunca presenciei ou tive notícias sobre homofobia ou coisa do gênero. E olha que trabalho na justiça e meu antigo companheiro na polícia e nunca tivemos nada de ruim nem no trabalho e nem na vida cotidiana que inclusive nos lugares que íamos sempre fomos bem tratados e todos sabiam que éramos casais. Ainda acho que existe homofobia e muita perseguição sim e temos sempre que lutar contra isso, mas acredito que as coisas já mudaram muito. Então não precisa generalizar sobre existir mais homofobia no interior do que na capital. Ela está em todos os lugares e graças as constantes lutas e nossa visibilidade o que antes era estranho agora está sendo mais tolerado até um dia não ser mais algo que incomoda.