segunda-feira, 15 de julho de 2013

Na alegria e na tristeza

Comecei o dia me debulhando em lágrimas com a história emocionante de John Arthur e Jim Obergefell, que vivem juntos em Ohio há mais de vinte anos. Os dois tinham decidido que se casariam um dia se o casamento igualitário viesse a ser aprovado em Ohio. No entanto, há cerca de dois anos, John foi diagnosticado com esclerose lateral amiotrófica, uma doença neurodegenerativa progressiva e fatal. Ele depende de cuidados durante as 24 horas do dia, já perdeu os movimentos, está rapidamente perdendo a fala, e o prognóstico médico é que lhe restam poucos meses de vida.

Depois da recente decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos de estender os benefícios do casamento igualitário para a esfera federal, e considerando o agravamento da condição de John, o casal decidiu se casar no estado de Maryland, onde o casamento igualitário já é permitido. Primeiro, Jim viajou sozinho a Maryland e obteve a licença de casamento. Com a ajuda das redes sociais conseguiram levantar a quantia necessária para fretar um jatinho adaptado para ambulância, a única forma viável de transportar John. Embarcaram levando um enfermeiro e também a tia de John, Paulette Roberts, que há algum tempo havia conseguido a licença para oficializar casamentos pensando exatamente em um dia poder celebrar a união do sobrinho. O avião pousou no aeroporto de Baltimore, taxiou até uma área reservada, e ali mesmo dentro da aeronave foi realizada a emocionante cerimônia de casamento. Logo em seguida retornaram todos a Ohio onde as famílias os esperavam ansiosos.

O vídeo com a história de John e Jim é lindo e emocionante. Coloquei aí abaixo, depois do pulo, porque não consegui desprogramar o autoplay, então o vídeo começa a rodar assim que acessado. Deixe um lenço preparado.







8 comentários:

João Eduardo disse...


Uma linda história de Amor e dedicação. Mas, uma notícia obscena para sa autoridades que negam a liberdade da realização do casamento. Esta atitude leva-me a considerar que os políticos (alguns) tem um deficiente quoeficiente de ignorância, só não consigo perceber como é que justificam aquilo que ganham para o que fazem.

Anônimo disse...

Chorando aqui
Herbert_Itz

Anônimo disse...

Essa tia é uma benção.

Anônimo disse...

muito lindo, emocionante...

Margot disse...

Feliz por eles... o importante é que realizaram o desejo...
Que os últimos meses dele sejam mais felizes a partir de agora.
Abraços

Luizão and The Mechanics disse...

É isso que falta ao gay brazuca senso comum: fazer valer! Não importa quantos tentaram ver os caras infelizes numa vidinha hipócrita etc etc, eles foram lá e fizeram, tipo um recado p/ sociedade VOCES NÃO VENCERAM, NÓS SOMOS FELIZES C/ O TEMPO QUE AINDA NOS RESTA.

Anônimo disse...

As existências dos dez milhões de seres da terra encerram tantas passagens comoventes, e muito poucas chegarão a ser contadas. Em condições exacerbadas, períodos de guerra, mulheres em sociedades repressivas, ditaduras, vidas isoladas, essas histórias tornam-se ainda mais impressionantes. Os homosexuais serão sempre destaque entre esses casos, seja nos EUA ou na Europa, e imagine- se o que devem passar nas Ugandas e Irãs da vida.

Oliveira Santos disse...

Lindo e emocionante!!!!!