quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Homem ou mulher?



Todo mundo deve ter acompanhado a celeuma criada pelo cartunista Laerte na semana passada. Laerte, que escolheu viver vestido de mulher, começou a brigar pelo direito de usar o banheiro feminino. A confusão começou exatamente quando ele foi reconhecido dentro do banheiro por algumas senhoras, que reclamaram da intrusão.

Será que Laerte deveria ter o direito de usar o banheiro feminino? Qualquer resposta a esta pergunta vai sempre cair no terreno do 'achismo'. Não adianta ficar achando nada, porque a situação é muito complexa e envolve variáveis que nós ainda não entendemos plenamente. Mas, uma coisa é certa: foi-se o tempo em que as pessoas eram divididas simplesmente em homens ou mulheres.

Sobre isto escreveu, mais uma vez brilhantemente, o dr. Contardo Calligaris na Folha de S. Paulo de hoje. Ele também não tem respostas prontas. Mas consegue enxergar a questão com a clareza que falta a muita gente. O artigo segue depois do pulo.

---------------------------------------------------------------

HOMENS ou MULHERES? Contardo Calligaris

Em matéria de gênero e orientação sexual, os caminhos não são fixos e claros desde a infância.

Há três anos, Laerte, 60, cartunista da Folha, usa roupas femininas e maquiagem em seu dia a dia. Na terça retrasada, pelo protesto de uma cliente que o reconheceu como Laerte (e, portanto, como homem), ele foi proibido de ter acesso ao banheiro feminino de uma pizzaria paulistana.

Quem está certo, Laerte ou a cliente que protestou? A questão é, no mínimo, complexa.

Em regra, na nossa cultura, na hora de usar um banheiro público, a gente se divide em HOMENS e MULHERES. Por quê? Perguntei ao meu redor e obtive dois tipos de respostas.

1) Na hora em que nos dedicamos a funções que são naturais, mas das quais nos envergonhamos, é mais confortável saber que não seremos objetos de desejo sexual.

Problema: segundo esse princípio, os homossexuais masculinos deveriam frequentar os banheiros femininos e vice-versa. E os bissexuais fariam xixi em qual banheiro?

2) A divisão dos banheiros públicos não teria a ver com o sexo, mas com o gênero. Seja qual for o objeto de nosso desejo, na hora de exercer as funções excretórias, preferiríamos estar entre pessoas com uma anatomia igual à nossa. Nesse caso, Laerte, que só se veste de mulher, não poderia usar o banheiro feminino.

Problema: o que aconteceria com um(a) travesti ou com um(a) transexual, ou seja, com alguém que transforma seu corpo até encarnar o gênero oposto? Yasmin Lee, Lea T ou um transexual de mulher para homem iriam para qual banheiro?

Simplificando ao máximo, na esperança de esclarecer:

"Cross-dresser" é quem gosta de se vestir com roupas do outro sexo -ocasionalmente ou, como Laerte, o tempo inteiro. Isso não implica uma preferência sexual específica. Muitos "cross-dressers" masculinos desejam só mulheres. Outros se mantêm castos, porque seu único prazer está no fato de habitar, por assim dizer, a pele do outro gênero.

"Travesti" implica uma transformação do corpo (hormônios, implantes) e a presença de uma fantasia sexual, que é diferente para cada um, mas na qual a "ambiguidade" do travesti funciona como um fetiche (para ele mesmo e para os outros).

Ser "transgênero" ou "transexual" significa ter a clara sensação de que seu corpo é inconciliável com seu sentimento profundo de identidade: você nasceu num corpo errado, que você odeia, sobretudo a partir da puberdade, quando ele desenvolve seus atributos de gênero. Os primeiros capítulos do livro de João Nery, "Viagem Solitária, Memórias de um Transexual 30 Anos Depois" (Leya), são perfeitos para entender o drama de quem descobre que ele discorda de seu próprio corpo.

A condição de transexual é independente de orientação ou preferência sexuais. Posso nascer num corpo de mulher e desejar homens, mas viver esse corpo como uma prisão e querer (ou melhor, precisar) me tornar homem; mudando de gênero, continuarei desejando homens. No fim, nascido mulher, eu me tornarei homem homossexual. Só para atrapalhar: qual banheiro frequentarei?

Na realidade complexa (e confusa) de sexo, gênero e orientação sexual, as categorias que descrevi se misturam e não designam destinos -ainda menos destinos claramente reconhecíveis desde a infância.

No lindo, delicado (e imperdível) filme de Céline Sciamma, "Tomboy" (maria-rapaz), a jovem Laura (extraordinária Zoé Héran) se vale de sua bonita figura andrógina (a puberdade ainda não chegou) para passar por menino entre seus novos amigos.

No fim, o espectador decide: o que foi que a gente viu? O começo de um mal-estar transexual? O nascimento de uma homossexualidade? Ou apenas a brincadeira de um verão, que permanecerá como uma lembrança divertida num futuro heterossexual e sem incertezas? Não sabemos e, de fato, nada permite dizer.

Aos nove anos, a menina que seria João Nery foi levada a uma terapeuta. A razão era que ela agia e pensava como um menino, e a mãe gostaria que lhe explicassem o porquê dessa conduta e lhe dissessem como ela deveria se comportar diante disso.

Nery escreve: "O diagnóstico indicou que era fixado no meu pai, com uma necessidade de imitá-lo por ser a filha do meio. Assim, tentava me sobressair para ter mais atenção e afeto. Minha mãe não deveria me forçar, impingindo-me roupas femininas ou coisas do gênero, pois tudo passaria com a idade".

Com a idade, nada passou. A terapeuta se enganou? Não exatamente: ela não tinha mesmo como saber.

10 comentários:

((ADRIANO)) disse...

Luciano,

Quer uma pérola jornalística?

Então olha essa matéria do site Cena G sobre o acontecido com o cartunista Laerte.

Adivinha a foto de quem eles colocaram para ilustrar a matéria?...
MINISTRA IRINY LOPES. o_O

http://cenag.uol.com.br/noticias_ler.php?id=ODIzMQ==

Luciano disse...

@((ADRIANO)):
Isto é inacreditável!!! Mas a semelhança é assombrosa.
Zbraço,
**

Lucas T. disse...

Que bom que existem o dr. Contardo Calligaris e o Helio Schwartzman em jornais como a Folha. Sorte nossa.

Anônimo disse...

SÓ ACHO UMA COISA, ESSAS MULHERES SAO MAL COMIDAS!

pop disse...

Olha...sinceramente ? O cara cortou o pau fora ?
Pode usar a roupa q quiser mas o banheiro destinado a ele eh o masculino. Ponto ffinal.

Anônimo disse...

POP VC ESTA SENDO SIMPLISTA!

Cara Comum disse...

ai, ai... o povo arruma tanta confusão pra coisas simples...

railer disse...

pelo que eu ouvi dizer, eles querem é criar o direito de gênero para cada banheiro. teve gente que disse que não pode pois o cara gosta de mulher e elas vão se constrangir. mas e em relação às lésbicas, não seria a mesma coisa?

como vc disse, é complexo, mas acho que vale a discussão.

ivan disse...

o que me deixa aflito eh que com toda a coragem que ele tem, ele ainda se esconde atrás do rótulo "crossdresser". Quer dizer, TRAVA é só aquilo que tem lá na Rego Freitas (SP capital), né? Ele apenas "explora o armário feminino", a-hã...
Pois enquanto só via foto na Internet eu até estava acreditando nessa nova criatura da fauna, mas quando vi na TV... axila depilada, jogando o cabelo.... meu, o cara deveria assumir de uma vez que é TRAVA e passar a fazer algo de realmente útil, que é lutar pelos direitos das TRAVAS como ele.

i.

Lucas disse...

Não há respostas prontas, mas há opções.
Fosse o proprietário do bar um analista lacaniano e Muriel seria liberada pra usar o banheiro que a conviesse, pois que só importasse ali a ética do desejo.
Um legalista insistiria no nome inscrito no RG e CPF, a lembrar Laerte que o estabelecimento era regulamentado e processo nunca bem-vindo.
O diplomata logo aprenderia com o impasse e um terceiro banheiro mandaria construir, seria esse a zona de livre gênero e a ele recorreriam os GLBTT. Perguntaria o discípulo do barão do Rio Branco: Se a nacionalidade pode ser dupla, por que não o gênero?
O hospitaleiro acalmaria as senhoras e senhoritas assustadas e por fim levaria Muriel a usar, nos fundos, seu próprio banheiro pessoal como forma de desagravo.
E por aí vai, nessa lista infinda rs