terça-feira, 22 de outubro de 2013

Etiquetando

A baixíssima qualidade da educação nas últimas décadas produziu no país uma geração de pessoas que mal sabem escrever e que têm uma enorme dificuldade para discutir diferentes pontos de vistas. Impossibilitadas de se expressar de forma minimamente compreensível em um debate, encerram qualquer argumento colocando uma etiqueta no interlocutor e abandonando a disputa com a certeza de que venceram. Tenho visto isso com uma frequência alarmante, e sinto muita pena dessa geração do vazio intelectual.

Se você tenta discutir os programas sociais do governo, vira "de direita". Fim do debate. Tenta discutir sobre testes em animais, vira "idiota insensível". Fim do debate. Tenta lutar contra tudo isso que está aí, vira "vândalo". Fim do debate. Tenta defender seus valores, vira "classe média". Fim do debate.

E assim passam o dia inteiro classificando gente. "Judeu". "Bicha". "Homofóbico". "Evangélico". "Comunista". "Fascista". Quando você estiver em dúvida sobre o que dar a qualquer um desta geração que o faça muito feliz, dê-lhe um carimbo.

17 comentários:

Anônimo disse...

Óhuuuun... que fofo!

Anônimo disse...

Vc tb faz isso. Não pose de superior.

Dimas disse...

Parabéns pelo texto Luciano, direto ao ponto como sempre.

Hoje resolvi me posicionar a respeito de alguém que aqui coloca comentários sempre impertinentes - o tal de " anônimo".
Só pelo fato de não ter coragem de se identificar- não deveria expor suas (dele) opiniões quase sempre de forma agressiva e contestando qualquer pessoa que não se enquadre em seu "mundinho" restrito e fechado. Tenho a impressão que só quer contestar só para discordar sempre de tudo e todos.
É isso.

Anônimo disse...

Baixíssima qualidade na educação detected!!!

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Clap Clap Clap! Sinal dos tempos querido ... a Idade Média II ... mas nova Idade das Luzes estão por vir ...

Anônimo disse...

Ah sim, antes das últimas décadas tínhamos uma educação primorosa, acessível para 100% da população. Ai, ai....

Jota Farr disse...

É a tal geração(pentelha) Y, nasci no final da geração x, me salvei. Conviver com eles no trabalho é um tormento.

Renan disse...

Então tá.

Fazer o quê ?
Fingir que não viu e IGNORAR ?
Esperar o Apocalipse Zumbi ?

Anônimo disse...

E vc não está, por acaso, fazendo o mesmo?!

"ETIQUETANDO"!

Anônimo disse...

Ó anônimo das 17.36, talvez você não tenha lido a pesquisa divulgada há 1 ou 2 semanas atrás - penso que era do governamental IPEA - indicando que a percentagem de analfabetos aumentou no último quinquênio (ou decênio), sabe aonde? No nosso amado Brasil.

Anônimo disse...

Concordo com o diagnóstico da doença, mas discordo das causas apontadas por ti.
Não é um problema educacional nem geracional. Creio que seja mais um problema cultural.
É verdade que quem já passou de uma certa idade adquiriu uma certa maturidade que ajuda a ponderar melhor e a ver coisas menos 8 ou 80.
No entanto, são a nossa sociedade pós-moderna e sua cultura individualista ao extremo que, creio, estão causando isso, com uma forcinha das redes sociais, que ajudam a deixar todo muito mais corajoso pra falar as bostas que realmente pensa.
Assim, sem querer se dar ao trabalho de realmente ouvir o outro e debater civilizadamente, principalmente por falta de embasamento para sustentar seus próprios argumentos, visto que eles estão fundados num comportamento de manada (propagado mais uma vez por elas, as redes sociais!), a pessoa se fecha como uma ostra e rotula, omitindo assim (ou não), toda a fragilidade de suas opiniões, que por mais lógicas que sejam, não foram construídas por seus próprios pensamentos e bagagem cultural, mas sim porque o buddy no face compartilhou.
Para evitarmos caírmos nessa armadilha, temos todos que nos policiarmos: rotular é um atalho muito fácil qnd estamos cansados de um longo dia de trabalho ou frustrados com algo que não saiu da forma que gostaríamos. Que atire a primeira pedra quem nunca rotulou!

Anônimo disse...

É claro que a educação é o cocô do cavalo do bandido, mas permita-me discordar.
Esse problema igualmente lamentável de rotular as pessoas de forma simplista e primária está mais ligado à imaturidade política que assola a nós, brasileiros. Raramente exercemos nossa cidadania de forma efetiva e nos acomodamos sempre, à espera de que alguém vá lá resolver nosso problema.
Sem o exercício cívico, ficamos emperrados e temos dificuldade de expressar idéias [enquanto as técnicas de futebol todos dominam].
Aí é mais fácil, ou só é possível, a chantagem política: Reacionário! Direitista! Entreguista! etc...
E, em consequência, nossos políticos não são melhores, nem mais amadurecidos e, se pressionados, dizem a primeira besteira que lhes vem à cabeça, sem qualquer pudor.
Vide Lula depois das primeiras manifestações: 'reação típica da direita...'
Anônimo sem cueca, mas de cueca

Anônimo disse...

Debate animado! (como sempre).
Cara, rotular faz parte do comportamento humano diante de algo diferente e/ou contraditório. É tão natural que você mesmo o fez: "a qualquer um desta geração".
Infelizmente o desconforte com a alteridade é tremendo, independentemente de data de nascimento ou grau de escolaridade. Basta ser homo sapiens...

Marcos Rocha disse...

Eu acho que um dos "anônimos" aí de cima deve ter uma paixão não correspondida pelo Luciano e por isso, ele sempre vai ser "do contra".
Se o Luciano postar: "acordei e saí da cama descalço" esse anônimo vai fazer uma analogia acerca das doenças que podem ser contraídas através dos pés; se a postagem for: "tomei 1 litro de matamusil porque estou constipado" este indivíduo vai rebater dizendo que o excesso de laxante pode provocar cancer e o autor da postagem está sendo "politicamente incorreto" porque está INDUZINDO uma legião de fãs a imitarem seu gesto. Enfim, essa é a maravilha da internet: cada um pode dizer o que quer, ainda que seja "CHATO PRA CARAMBA"... e viva a DEMOCRACIA

Anônimo disse...

Falam, falam e nada dizem. Faltam argumentos, falta repertório, falta discernimento, falta ampla visão de mundo (não essa coisa estreita, paroquial e preconceituosa que todos exibem à guisa de verniz intelectual e sofisticação) e, sobretudo, falta olhar o próprio rabo. Como alguém aí em cima lembrou: é o próprio apocalipse zumbi - já estamos nele. Mergulhados.

Anônimo disse...

Outra coisa que eu noto nas conversas: "debate civilizado" é todo mundo concordando com todo mundo. Muito "clap, clap, clap" (que onomatopeia mais ridícula), muito "direto ao ponto, como sempre", muito "ótimo texto, como sempre". E viva The Walking Dead!

Oliveira Santos disse...

Geração chata mesmo, um bando de metidos que acham que sabem de tudo e são o último pacote do biscoito, gentinha pé no saco mesmo, Luciano estou com você, concordo plenamente.