sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Família! Família! Almoça junto todo dia, nunca perde essa mania...

Ontem saí para um café com uma amiga que tem dois filhotes em idade escolar, e ouvi dela uma notícia que me deixou cheio de esperança. O marido dela é médico do tipo "paizão" e lá pelas tantas eu perguntei a ela sobre o Dia dos Pais, se os garotos tinham alguma celebração especial na escola. Foi quando ela me disse que a escola deles não celebra nem Dia das Mães e nem Dia dos Pais, mas concentra tudo em um único dia: o Dia da Família. Quando perguntei a ela se era para evitar constrangimentos a eventuais alunos órfãos ela me confirmou que sim, também, mas a razão principal era para abarcar as novas configurações familiares sem distinções. E me explicou que o garoto dela mais velho, de 6 anos, tem na classe um coleguinha com duas mães. E que tudo é tratado da forma mais natural possível, que as mães lésbicas são super entrosadas nas reuniões de pais e nunca foram discriminadas, muito pelo contrário, são bem aceitas e entrosadas com toda a comunidade da escola.

A ideia é fantástica. Nem toda criança tem pai ou mãe, mas toda criança tem necessariamente uma família. Para terminar, minha amiga me disse que não sabe se sentiria confortável se os filhos estudassem em uma escola que não tivesse essa visão da diversidade. O mundo está sempre mudando. E para mim já está muito melhor hoje do que na semana passada.

7 comentários:

Nelson disse...

Damn cool!

Uomo disse...

Que maravilha!!!!
Perfeito...um ótimo exemplo a ser copiado.

Margot disse...

Conheço uma escola em BH com essa mesma visão e gerencia. Celebram o dia da familia com pai/pai e mae/mae, bem como pai/mae.
O mundo esta mudando...... Ponto para todos nos.
Abraços

Ro Fers disse...

Aparentemente a sociedade está progredindo...

Oliveira Santos disse...

Evolução, ainda bem!!!!

railer disse...

muito bom mesmo!

mas não entendi porque você se surpreendeu, já que você já tinha até comentado sobre isso numa postagem minha ano passado... rs... (aqui). ;-)

Luciano disse...

É mesmo, Railer! Bem que eu achei a ideia familiar. Acho que me surpreendi também com a naturalidade da minha amiga. Que bom que o conceito está se espalhando.

Grande abraço!