segunda-feira, 12 de agosto de 2013

O robocop dos gays

Analisando o vídeo da aporrinhação a que alguns rapazes submeteram o pastor Marco Feliciano em pleno vôo entre Brasília e São Paulo no último final de semana, eu já suspeitava que os rapazes não eram gays. Com a confirmação a história fica muitíssimo mais interessante. A frase de Conrado Ribeiro, um dos rapazes, resume tudo: "Eu protestei na qualidade de cidadão que tem vergonha de ter um deputado como ele".

Isso denota uma mudança de comportamento da população do país que provavelmente daqui pra frente deve se mostrar mais ativa na manifestação de seu descontentamento pelas coisas com as quais não concorda. Obviamente, um reflexo direto das manifestações de rua iniciadas no último mês de junho.

Acho ótima toda a repercussão do caso, por mais que algumas pessoas achem que este tipo de manifestação possa ter efeito contrário. O efeito contrário é mínimo. O ato encoraja outras pessoas a botar a boca no trombone e agir contra as injustiças, e é justamente nesta nova onda que navega o quadro Vai Fazer o Quê? que o Fantástico estreou com sucesso há algumas semanas. Em breve cada pessoa de bem será um robocop defendendo os direitos dos gays, das mulheres, contra as injustiças e os oprimidos. Está oficialmente enterrada a era dos cidadãos eternamente complacentes.

13 comentários:

Oliveira Santos disse...

Concordo mesmo com o texto disse tudo, tomara que daqui em diante as pessoas não tenham mesmo receio de falar e dizer na lata destes picaretas que nunca representaram o povo Brasileiro, só querem saber de poder nada mais, estão se lixando para o povo, a não ser quando tem vésperas de eleição!!!

Anônimo disse...

Luciano, fiz um (Ctrl+c)(Ctrl+v) do que eu postei no blog do Tony Goes ontem a respeito do ocorrido. Não modifiquei nada, pois acho importante repetir.

"Eu achei baixo, de mau gosto. E muito me admira você achar isso correto Tony. Esse tipo de atitude respinga em mim, pois sou eu que tenho que me virar depois para me defender de declarações homofóbicas de todo o tipo ao meu redor. É uma falta de respeito com os outros passageiros. Olha, não me entanda mal, não sou um enrustido ao molde de Agnaldo Timóteo, muito menos um acomodado, mas prefiro seguir o conselho que o meu finado avô já me dava "respeite para ser respeitado". Fico triste com isso, pois este tipo de atitude acaba dando mais munição para o inimigo. Talvez por você morar numa capital não tenha noção do peso que isso tem no interior do Brasil. Ah vida acaba ficando muito mais difícil. Acabamos ficando muito vulneráveis perante os seguidores de Feliciano e sua turma. Existem formas mais inteligentes e eficazes de protestar. E é sempre bom registrar: nem todos os religiosos são intolerantes."

Marcos Rocha disse...

Que me desculpe o anonimo, mas a omissão é o pior tipo de covardia que existe no mundo. Enquanto houver pessoas que se escondem, seja por medo ou comodismo, haverá injustiças cometidas contra todos;pode até parecer "desrespeito" com os demais passageiros, mas ser considerado como "abominação aos olhos de Deus, possuído pelo pecado e, pior ainda, ter seu corpo chamado como templo de satanás" pode ser considerado respeito?
Se é para falar em respeito, o direito de cada um termina exatamente onde começa o meu... simples assim

Anônimo disse...

Eu, sinceramente, adorei. Só foi desnecessário (como os próprios rapazes disseram) tocar no cabelo cheio de Alisabel do Felicianus. Fora isso, bravo! E concordo com cada palavra do seu texto, Luciano.

Anônimo disse...

Anônimo (Ctrl+c)(Ctrl+v),
Não se pode dizer que a atuação dos jovens foi de mau gosto. Eles poderiam ter sido mais sutis, é claro, mas foram muito espontâneos, pois não era algo ensaiado, devem até ter ficado nervosos naquele momento político que se ofereceu tão suculento. Eu pagava para estar naquele avião, ainda não que não entrasse na dança, seria um bom coro e todo aplausos.
O seu avô está certíssimo, respeite para ser respeitado. O problema nesse caso é que o cidadão dito 'assediado' não respeita a nação, é um debochado, e assim não merece consideração alguma. E nem precisa entrar no tema gay, é no nível cidadania tão somente. O que os rapazes fizeram, em termos de achincalhe, foi até pouco.
Diga aos seguidores do capeta assediado que os rapazes não eram gays, mas apenas cidadãos se manifestando. E até o comandante do voo, senhor supremo da segurança a bordo, permitiu de forma surpreendente esse esculacho, pois o demo de headphones não há quem aguente.
Adorei a afirmação em falsete, ao final do video, 'feliciano, minha família me aceita!'

Anônimo disse...

Anônimo aí de cima, por que você acha importante ficar dando ctrl+c ctrl+v pro MESMO texto que vc já postou em outro lugar? Falta de argumentos? Deve ser, porque eu não concordo com a maioria do que você falou! E acho que é apenas uma reação de quem se sentiu também humilhado, denunciada quando você disse "olha, não me entenda mal, não sou enrustido..." não né? vc deve ser um super ativista!

ER disse...

E a feliz coincidência deles terem cantado uma musica dos Mamonas Assassinas. Justamente esse pastor Infeliz falou várias vezes que quem Matou os Mamonas Assassinas foi Deus. Ri muito.
http://www.youtube.com/watch?v=qKR8Jkm5gnc

Evandro disse...

Concordo com tudo o que disse Luciano. Chego até a pensar que a existência de figuras boçais como o Feliciano tem um lado bom a ser explorado. Muitos heteros e religiosos não se identificam com ele, e cada frase homofóbica, cada atitude ridicula, cada provocação dele na CDHM, tem gerado uma rejeiçao ainda maior por sua figura reacionária e bizarra. Sem querer, estamos ganhando mais aliados na luta contra a homofobia. Talvez graças ao próprio (In)Feliciano.

Margot disse...

Assino embaixo de teu texto Luciano e aplaudiria de pé os rapazes do voo.
De pouco em pouco a população se dará conta da falta de respeito, (isso sim), que é julgar e condenar sem ao menos conhecer.

Abraços

Anônimo disse...

Nao concordo com anonimo ctrl+c ctrl+v mas entendo e respeito o lado dele sim, pessoas do eixo RJ-SP disparam o alerta preconceito p/ qualquer coisa, mas mal sabem eles que vivem numa 'zona de conforto' sonhada por muitos, Brasil é quase continental, vai ver o que é preconceito de verdade no Norte, Nordeste e nos interiores do extremo sul...

Marcos Rocha disse...

Para o anônimo de 14/08 19:40

As pessoas que vivem no "Norte, Nordeste e nos interiors do extreme sul" serão tão beneficiadas quanto todas as demais pelas conquistas havidas pelas "pessoas do eixo RJ-SP". Alias, foi graças à essas pessoas que o STF aprovou a sumula vinculante que concede direitos de família aos casais homoafetivos; graças a essas pessoas o tema homosexualidade tem sido debatido diariamente. Sendo assim, nada mais justo que essas "pobres vítimas" que moram um pouco mais afastadas ajudem a custear o onus da transformação. Como diz o velho ditado: "não se faz omelete sem que se quebre os ovos"... Simples assim...

railer disse...

atitudes assim tem que acontecer mesmo e as pessoas começarem a colocar a boca no trombone de vez!

Anônimo disse...

Sem distorções, por favor, não falei que o cara tá certo em se omitir e agir como na época do avô dele, falei apenas QUE ENTENDO do que ele está falando, logo ENTENDER é diferente de CONCORDAR/ENDOSSAR/FAZER VALER DESTA OU DAQUELA MANEIRA. Sim o ônus da transformação vai demandar um pouquinho de cada um, muita gente ainda vai morrer por homofobia na sua forma mais cruel que são os crimes de ódio, outras tantas serão agredidas e algumas vezes tb mortas pelo simples fato de os agressores acreditarem que são homossexuais ao vê-los abraçando um pai ou irmão, isso tá na mídia policial toda hora infelizmente... Isso tudo é triste, é absurdo? É! Mas p/ essa omelete sair pra ontem, proprio segmento lgbt tem de parar de segregar os proprios homossexuais, se alguns se acovardam vai saber os motivos que eles tem, vai calçar o sapato apertado que eles calçam, vai ver quantas coisas ainda estão nebulosas na vida deles, autoaceitação da homossexualidade para alguns não é botão liga/desliga, é um processo... Foi sobre isso que eu quis falar.