quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Quando o carteiro chegou e o meu nome gritou com uma carta na mão

Recebi ontem pelo correio um cartão postal de uma amiga que estava de férias em San Francisco e uma conta.  Detalhe: minha amiga já retornou de lá há cinco semanas, e a conta tinha vencimento para dia 14 do mês passado! Não é triste ver uma organização como os Correios, que nos anos 90 estava entre as instituições mais confiáveis do país, se esfacelar desta maneira?

Este atraso não teria me deixado tão indignado se na semana passada eu não tivesse recebido outro sinal do atual estado de degradação dos Correios. A secretária da minha associação profissional me ligou para verificar se eu havia mudado de endereço depois que o jornalzinho que há 12 anos me é enviado para o mesmo endereço foi devolvido com o carimbo de "Endereço Inexistente". E no mês anterior, um amigo aguardava o recebimento de uma encomenda que foi devolvida ao fornecedor com o aviso de "Mudou-se".

Carteiros e outros funcionários sérios vivem uma luta inglória por melhores salários nesta instituição que é hoje só uma mina de dinheiro para a corrupção política. Alguém ainda se lembra que foi lá que começou toda a história do mensalão?

7 comentários:

Daniel disse...

Aqui no MP a gente trabalha com uma quantidade descomunal de notificações por AR. É incrível a má vontade dos Correios em entegar. Muitas vezes são endereços confirmados e a correspondência volta com "não localizado" ou "ausente" sem as 3 tentativas, ou até mesmo sem nenhuma justificativa.

Rafael disse...

O serviço deles está uma bela porcaria mesmo. Ontem recebi uma encomenda de 5 meses atrás, já até havia recebido o estorno da loja (a qual agora devidamente pagarei).
Em setembro enviei uma correspondência para (coincidência?) San Francisco e a mesma foi entregue em minha casa depois de uma semana. Depois de muita burocracia e incômodo, finalmente consegui enviar a correspondência novamente há duas semanas atrás, sendo que deveria ter chegado lá antes do final de outubro, pois era um presente de casamento.

Lucas T. disse...

Foda. Por aqui nunca tive problemas, mas sempre ouço alguém se queixando.

Margot disse...

Moro em Minas Gerais e infelizmente aqui a situação não é diferente. Minha rua tem no máximo 20 residências e constantemente encontro cartas de meus vizinhos na minha caixa e vice versa. Triste a queda de uma instituição outrora tão bem classificada.

Uomo disse...

Uma coisa deve ser deixada bem claro. Não tô aqui para fazer politicagem no blog do Luciano, mas os correios é alvo a muito tempo de esquema de privatização. Os funcionarios vivem uma luta ingloria contra o descaso feito pelo governo federal. Não tem paralisação que faça eles terem reajuste de salario e os programas de demissões voluntárias dentro da instituição é uma fato a anos. Digo porque ja estagiei lá. Logo, antes de culpar os carteiros, vamos ver quem está por tras (no bom sentido). Lula não quis assumir a batata quente chamada correios, preferiu deixar a corrupção correr solta do que assumir saber algo. Tbm não fez muito caso se começava ou não um processo de sucateamento na empresa para então poder vende-la. Concordo, o serviço oferecido pela empresa já foi muito melhor. Contudo, o problema é bem mais profundo do que uma "má vontade" ou "preguisa" do funcionalismo público.
Antes que perguntem, não, não trabalho nos correios, não conheço ninguem que trabalha e estagiei na empresa há mais ou menos doze anos atras.

railer disse...

dá raiva isso mesmo. o pior são cartas que desaparecem sem deixar vestígios. falta um pouco mais de comprometimento e responsabilidade.

Cara Comum disse...

Quanta lucidez do Uomo... clap, clap, clap.... Sem mais a acrescentar!