domingo, 26 de agosto de 2012

O novo normal


A emissora de tv KSL, afiliada da NBC em Salt Lake City, já avisou que não vai exibir a nova séria americana The New Normal sobre um casal gay que contrata uma barriga de aluguel. Se eles estão chocados com a possibilidade deste novo arranjo familiar, deveriam vir passar uma temporada no Brasil para aprender um pouco. Segundo o último censo do IBGE, o formato familiar clássico "papai + mamãe + filhos" pela primeira vez passou à condição de minoria no Brasil, com 49,9%. Agora a maioria dos arranjos familiares no Brasil corresponde a outras configurações, principalmente mães solteiras criando filhos sem pai, uma quantidade enorme de pessoas vivendo absolutamente sozinhas, grupos de agregados familiares sob o mesmo teto, famílias de pais gays, e as famosas "famílias mosaico" (tipo "os seus, os meus e os nossos").

A união estável de três pessoas registrada em Tupã há uma semana, que aparentemente não tem nenhum valor jurídico, é só mais uma mostra da diversidade familiar de nossa sociedade que permite uma infinidade de diferentes arranjos práticos.

O mais engraçado é que a leitura da reportagem sobre estes novos arranjos familiares provoca uma certa estranheza, até olharmos em volta e nos darmos conta de que nossas famílias e amigos já vêm vivendo assim nas últimas décadas sem nenhum estranhamento. Meu irmão mais velho, por exemplo, mora no Japão há quase quinze anos com a esposa com a qual nunca se casou, enquanto a primeira esposa vive no Brasil com o atual namorado. Meu irmão mais novo vive com a esposa e o filho e também nunca se casaram legalmente, e completam o mosaico com uma filha do primeiro casamento da minha cunhada. Eu vivo com o meu namorido mas ainda mantemos dois apartamentos (o que é uma bênção durante a semana quando cada um está praticamente imerso nos próprios trabalhos e projetos).

É por estas e outras que eu tenho vontade de rir quando ouço estes fundamentalistas religiosos acusando os gays de redefinirem o casamento. O formato de família que eles defendem já é minoria há algum tempo e ninguém nem tinha notado.

8 comentários:

Margot disse...

Gostei do post... realmente os mais radicais se "agarram" ferozmente a esses tipos tradicionais de relação, como se não existissem outros. Tenho conhecidos em que, o marido vive no sitio com uma moça com 1/3 da idade dele; a esposa vive na cidade com outros namorado; os dois criam três filhas de ex-namorados da mulher; e as crianças caçulas convivem muito com um casal gay de primos, e não acham que em tudo isso exista alguma coisa de diferente. São crianças que levam uma vida comum, como as outras amiguinhas da mesma idade.
Como vc disse...é um mosaico bem diversificado o daqui...rsrsr
Abraços

Roberto disse...

Os arranjos familiares aqui nos USA são tão ou mais variados do que o que se vê no Brasil. Mas do mesmo jeito que vcs têm a bancada evangélica, nós temos os nossos aqui. Salt Lake City é capital do estado de Utah, e tem a maior concentração de mórmons nos USA, não é de se espantar que eles não queiram esse seriado por lá.
Não entendi o seu contraponto para abrir o assunto, poderia ter dito que os próprios evangélicos brasilairos não aceitam essa realidade. Era pra passar mensagem subliminar de que todos os americanos são atrasados? Que coisa boba.

Luciano disse...

@Roberto:
O contraponto para abrir o assunto foi uma forma de unir dois temas recentes que têm uma base comum. Não acho que todos os americanos são atrasados - você é quem está dizendo isto. Acho, sim, que os americanos são um pouco mais hipócritas que os brasileiros.
Nenhum dos dois lados é perfeito. Brasileiros e americanos têm muito a aprender uns com os outros.
**

Anônimo disse...

"O formato de família que eles defendem já é minoria há algum tempo e ninguém nem tinha notado."
(2)

Tenho:
2 tias mães solteiras
1 tia que vive um mosaico.
1 tia que entregou a filha para o pai criar ainda bebê.

Anônimo disse...

A gente só não pode esquecer que esse mesmo pessoal, que não vive como mandam as igrejas, tem preconceito contra homossexuais. Tanto é que quase metade dos brasileiros ainda são contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo...
Quer dizer, "eu posso me casar de novo, ou morar com alguém sem oficializar a união, posso até criar meu filho como pai/mãe solteiro... mas detesto viado, Deus me proteja de ter filho assim, essa raça não pode se casar, se adotar vai transformar um inocente em bicha".
Infelizmente, ainda é assim.

Julio Seidenthal disse...

Que bom que não estou mais escrevendo sozinho. finalmente, alguém , muque de peão" postou isso: desde quando a heterossexualidade é maioria, nem em outras idades, até Adão já havia visto a cobra enquanto Eva comia a maçã. risos

Oliveira Santos disse...

Tudo está mudando mesmo, é algo sem volta, tudo será normal como nos filmes de ficção científica que vemos de vez em quando, mas até lá será outra geração, e vão rir muito do passado como rimos das coisas antigas do nosso passado!

Marcos Campos disse...

Olá ! Vc tem razão, é só olhar em volta !!
Legal o post ! Abraço !!