sábado, 4 de agosto de 2012

Um novo tempo, apesar dos perigos

A Confederação Nacional do Transporte (CNT) é um órgão criado em 1954 para atuar na defesa dos interesses do setor de transportes. Desde 1998 a CNT publica a Pesquisa CNT/Sensus, um retrato do que pensa a população brasileira sobre vários assuntos. O resultado destas pesquisas é divulgado publicamente e pode ser acessado aqui.

No ano passado a pesquisa incluiu uma sondagem do sentimento da população brasileira sobre as uniões civis do mesmo sexo e descobriu que 38,6% eram a favor e que 40,0% aprovavam a adoção de crianças por um casal do mesmo sexo. A surpresa veio com o resultado deste ano, que foi publicado ontem. A percentagem dos brasileiros que são a favor das uniões civis de casais do mesmo sexo pulou para 50,0% e a aceitação da adoção por casais homossexuais saltou para 54,3%. O relatório síntese da pesquisa pode ser lido na íntegra aqui.


A aceitação crescente não é novidade. Mas o ritmo do crescimento surpreende, principalmente em um país onde a população é pouco politizada em relação a direitos civis. A questão acaba de ultrapassar a massa crítica que determina o equilíbrio entre os dois lados e passa a mostrar uma aprovação pela maioria. E os números tendem a crescer cada vez mais rapidamente com as novas gerações, que são tipicamente mais impermeáveis a preconceitos antigos.

Embora de forma fragmentada e sem a organização que se vê em países como os Estados Unidos, há no Brasil um movimento geral em prol de mostrar a homossexualidade de forma  mais positiva e um consenso geral que a homofobia e o preconceito são ruins. A imprensa, a televisão em geral e as novelas em particular, têm dado contribuições expressivas ao retratar casais homossexuais de forma positiva. Confirmando a lei da ação e reação, as religiões têm apertado o cerco para reforçar a demonização dos homossexuais e impedir os avanços da sociedade civil neste aspecto. Mas, basta olhar para a História de um ponto de vista de longo prazo para se ter a certeza de quem vai sair vitorioso neste embate.

5 comentários:

Margot disse...

Estamos em cena, estamos nas ruas, quebrando as algemas.

Excelente texto Luciano. Uma boa notícia para começar o dia.
A persistência cumpre o seu papel. Não desistir... esse deve ser o lema.

Beijos... bom sábado.

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

São os novos tempos querido ... a boa brisa ainda há se soprar em q pesem todas as tentativas de promover tempestades por parte de um pequeno grupo de imbecis e hipócritas ...

P. Florindo disse...

Felizmente, graças a facilidade do acesso à informação (embora ainda pouco aproveitada) e uma abordagem maior da mídia (embora ainda muito tímida e em alguns momentos, covarde), as pessoas estão se desfazendo daquela imagem pesada e negativa em relação aos homossexuais. No entanto, o extremismo das duas partes só piora as coisas.

Anônimo disse...

A gente lê a pesquisa e fica se perguntando por que é maior o número de apoiadores da adoção, uma vez que a adoção é um processo que demanda mais responsabilidade do que juntar as escovas de dentes.
Foi aí que eu lembrei de um pronunciamento do papa Bento XVI que, na onda de exaltação do casamento entre héteros, buscava a confirmação de sua tese na origem dessa uniões, no direito natural.
Tenho pra mim, então, que quem diz NÃO ao casamento entre homossexuais é aquela mesma pessoa que discrimina pais adotivos, perguntando a eles que graça teria criar filhos dos outros e quando vão pensar em ter filhos de "verdade".
Nossa sorte é que cada vez mais a sociedade se conscientiza que o biológico não é a última palavra...

Yuri disse...

http://sergyovitro.blogspot.com.br/2012/08/eleicoes-cartilha-para-gay-votar-alice.html


achei isto interessante, e que mereceria um cometário teu ;)