quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Orgulho

Esta semana nos Estados Unidos, John Banvard, de 95 anos, e Gerard Nadeau, de 67 anos, oficializaram o casamento depois de viverem mais de 20 anos juntos. O casamento foi realizado na própria instituição para ex-combatentes onde os dois residem.

Há cerca de 3 meses, Daniel Baer (de calça escura na foto) foi nomeado pelo presidente Obama para a posição de Embaixador da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa. Daniel é o quarto embaixador americano assumidamente gay, e esta semana aproveitou para divulgar um vídeo onde fala do trabalho como embaixador e apresenta o marido Bryan.

Estes são apenas dois pequenos exemplos em uma única semana de como a comunidade LGBT americana se imbuiu do espírito do orgulho de ser gay para mudar uma sociedade acostumada a séculos de preconceito. Só a visibilidade consegue exterminar a estranheza e criar a sensação de familiaridade. A sociedade precisa se acostumar com a nova realidade, e isso só será possível se conviver muito com ela.

As conquistas da comunidade LGBT não significam o fim da homofobia, da mesma forma que a abolição da escravatura não acabou com o racismo. Mas é preciso conviver com a novidade justamente para que ela deixe de ser novidade e vire lugar comum. Só assim a homofobia tenderá a desaparecer. No Brasil ainda são raros os casos como o de Daniela Mercury, que faz declarações de amor e beija em público, mas logo virão outros. E outros. E muitos outros...

5 comentários:

Anônimo disse...

Visibilidade com naturalidade, tanto na forma de divulgação, de preferência 'en passant' - se for permitido o uso de expressões ancien régime -, a notícia que não desperta discussões. Mas também no conteúdo burguês, trivial, entediante, romântico, dejà vu [oh no!].
Bunda de fora trepidante já chega.

Anônimo disse...

Também temos a jogadora de vôlei Larissa, neste link tem a história linda dela e da esposa que estão gravidas!!!
http://globoesporte.globo.com/volei/noticia/2013/09/apos-tratamento-de-fertilizacao-larissa-engravida-e-sera-mae-com-lili.html

Margot disse...

A visibilidade cada vez maior é o caminho.
É estranho falar, mas a população precisa ser treinada a ver cenas de amor entre iguais para que não reaja como um cachorro louco. Exagerei??? Me lembrei do Feliciano, mandando prender as garotas...
É o fim, estar de acordo com atitudes do tipo. Vergonhoso.

Abraço

Anônimo disse...

Eu concordo. O "EU SOU GAY" nas capas das grandes publicações americanas contribuíram para as recentes e importantes conquistas deles.

Anônimo disse...

A conquista vem sempre de fora o exemplo, por aqui ainda tem que evoluir muito, mas já é o começo, o que atrapalha é a cegueira religiosa. Aliás em qualquer parte do mundo!