terça-feira, 4 de dezembro de 2012

A fada do conto

Só agora a história foi revelada, mas em outubro último, a futura rainha da Noruega, Princesa Mette-Marit, que já vive em um mundo parecido com o de um conto de fadas, resolveu agir como a própria fada-madrinha. Muito amiga de um casal gay que trabalha no palácio real, Mette-Marit também estava super animada com o filho de barriga de aluguel que o casal logo conheceria. Os bebês gêmeos nasceram antes do tempo e estavam sozinhos em uma maternidade da India, e os pais impossibilitados de viajar com urgência. A notícia pode ser lida aqui e aqui.

Mette-Marit não pensou duas vezes. Usou seu passaporte diplomático e pegou o primeiro avião para a India. Apresentou-se no hospital como babá das crianças com uma procuração dos pais, e ali passou vários dias cuidando dos bebês até que a nova família pudesse chegar. Ninguém ali sabia que ela era uma princesa de verdade, e na Noruega sua viagem foi mantida em segredo.

Mette-Marit é casada há dez anos com o
Príncipe 
Haakon Magnus e têm dois filhos.
Poucas histórias conseguem ilustrar tão bem o significado de uma amizade verdadeira. 

9 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Supimpa tudo isto ...

Lucas T. disse...

Pheena, elegante e sincera.

Anônimo disse...

A monarquia confere estabilidade invejável a uma nação. Ainda assim é estranho saber que, por causa desse regime, os filhos de uma pessoa tão generosa deverão, se forem gays, escolher entre casamento hétero ou "solteirice" permanente.

Oliveira Santos disse...

Nobreza de espírito, isto sim!!! Ela já nasceu assim!!!!Vem de dentro!!!!Verdadeiro!!!!

Dino Costa disse...

ótimo post! Eu acredito que boa educação prioriza a humanização da sociedade. De que adianta todo mundo ter "diproma" de universidade se continuam broncos e com mob mentality?

CriCo disse...

Arrazô princesa!!!

Anônimo disse...

Essa princesa era plebéia e, quando casou- se com o Príncipe Harald, tinha um filho de uns 4 anos, de uma relação anterior com um cara, que estava em tratamento contra drogas.
Não obstante esse curriculum pouco convencional, cerca de 80% dos noruegueses consideravam que ela seria uma boa princesa e, após o casamento, quando os noivos se apresentaram como um casal na sacada do palácio real, o príncipe, em uniforme de gala, pegou o menino no colo para receber com eles o aceno da multidão de súditos que ali acorrera.
Gente fina é outra coisa.

Anônimo disse...

lindo post!!!

Margot disse...

Linda estoria.... nobreza vem de dentro e bondade também.
abraços