sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Quem eram os Irmãos Coragem na primeira versão?

O especial Doce de Mãe exibido pela Globo ontem foi apresentado como filme nacional, o que é um bom sinal. Assim talvez a Globo o disponibilize em DVD e o reprise futuramente em uma sessão da tarde, o que não costuma acontecer com as produções apresentadas apenas como especiais de estação. Foi simplesmente deliciosa a história da mãe idosa (Dona Picucha, interpretada por Fernanda Montenegro) cheia de vida que é o centro da preocupação dos filhos que não têm mais tempo para ela. E o especial se despediu do ano fazendo referência a um assunto que marcou 2012: o mendigo magia (aqui interpretado por Daniel de Oliveira, lindíssimo com visual desgrenhado, esfarrapado e sujo - reveja a cena aqui).

O texto leve, bem-humorado e cheio de verdades ditas de forma rápida e casual foi uma preciosidade. Como quando Dona Picucha cochicha com a vizinha: "meu filho mais novo gasta uma energia enorme para ninguém perceber que ele é gay. Mas todo mundo sabe e ninguém está ligando para isto". A relação dela com o filho Fernando e com o namorado dele - que ele insiste em apresentar como "amigo" - rendeu cenas ótimas, como aqui:

Reveja também esta outra cena de Dona Picucha caminhando distraída pela cidade com o discman no ouvido, e tente não se apaixonar por ela.

8 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

uma beleza!!!

João Eduardo disse...

Muito Bom.

Margot disse...

Quero ter a oportunidade de ver, se a globo disponibilizar.
Parece ter sido ótimo.
Uma pena eu não ter podido ver.
abraços

Anônimo disse...

Tá rolando um boato de que a história pode se tornar um seriado no ano que vem.
Agora, fala sério, a Fernanda Montenegro é do caralho! Igual a ela para mim, só a Maggie Smith.

Anônimo disse...

Do caralho e ainda por cima canta bem, já fez vários musicais.

Anônimo disse...

O filme é interessante e simpático, e transa bem velhas músicas, com destaque para a bela Juízo Final, de Nelson do Cavaquinho.
Só um comentário crítico: o visual da mãe foi desnecessariamente cafona in extremis. A peruca era digna do programa do Didi, as roupas pareciam doação para flagelados de catástrofe climática, os tênis nem a Angela Ro Ro encarava.
Há uma tendência no cinema nacional de apresentar as idosas, não os idosos, assim de forma bem caricata.
E Fernandona, filha de operários do subúrbio carioca, sempre primou por refinada elegância em tudo, mostrando que para ser tcham não é preciso nascer daslu.

Oliveira Santos disse...

Gostei muito achei super divertida todas as cenas, e é um fato real que todas as famílias vivem, é algo que acontece mesmo, e aquelas panquecas heim!!! que delicia!!!!! E o mendigo outra delícia heheheh a dentista se deu bem, graças a vivência e percepção de dona picucha, aliás percepção para com todos os filhos e fatos da vida!!!! Vivência!!!!!

Dimas disse...

Como sempre excelente a atuação da Fernandona, e a caracterização, muito engraçada.
Destaque para nosso querido
Matheus Nachtergaele no papel do filho gay.

Que se repita produções com tal qualidade!