segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Judges do it. Actors do it. Teachers do it. Farmers do it.

Oliver Callan
Convocar a imprensa ou organizar um jantar de família para sair do armário é tão ano passado! A onda agora é soltar a frase assim no meio de uma conversa ou uma entrevista, como a coisa mais natural do mundo que é, usando daquela coisa que em inglês a gente chama pelo nome chique de nonchalance (algo como 'não estar nem aí').

Foi assim que Zachary Quinto fez no meio de uma entrevista. Logo foi seguido pelo repórter americano Dan Kloeffler, que saiu do armário no ar no próprio programa de TV. Na semana passada foi o Marco Nanini que mencionou en passant o que já havia dito para a revista Playboy no começo do ano passado: que tem namorados casuais.

Agora foi a vez do comediante irlandês Oliver Callan. Oliver costuma imitar gays em seu programa e estava sendo acusado de ser homofóbico por alguns jornais. Em entrevista ontem, ao ser questionado se era realmente homofóbico, Oliver vira e diz: "Vamos esclarecer as coisas. Eu não sou homofóbico. EU SOU GAY!" E continua com um discurso inspirado que arranca aplausos da plateia.

Ficam então algumas sugestões para quem está pensando em sair do armário. Quando o chefe perguntar sobre a segunda via daquele contrato, vire-se calmamente e diga "já está sobre sua mesa, e eu sou gay". Quando o garçom perguntar se você prefere açúcar ou adoçante no seu café, diga "normalmente prefiro adoçante, mas como sou gay hoje vou usar açúcar". Quando o telefone tocar e perguntarem quem está falando, diga "aqui é Fulano, o gay".  Simples assim.


11 comentários:

Soterapolitano disse...

Agora o caso dele é curioso, por estar justamente sendo confundido pelo total oposto.

Abraço!

Marco disse...

Façamos...

Anônimo disse...

Quando se é preciso dizer que é isso ou aquilo, alguma coisa está muito errada. Com a pessoa em questão, claro. Quanta bobagem.

Folk Them disse...

Não obstante, ele diz que está se lixando sobre ser gay e ter orgulho disso, o que bate de frente com as convicções de muitos gays panfletários, inclusive o autor deste blog.

Dino Costa disse...

Não é questão de ser panfletário. É porque enquanto as pessoas viverem no armário, principalmente as famosas e bem sucedidas, homossexualidade vai continuar sendo vista como coisa de bicha quáquá (nada contra as quáquá) e travesti de esquina. Vão continuar acontecendo ataques nas ruas, preconceito nas escolas, no trabalho e tal. A única forma de tornar a homossexualidade aceitável é torná-la comum. Prá isso, o povo tem de começar a dizer mesmo, que só transa com homem, ou que já transou com homem, que já teve desejo mas nunca realizou, que teve curiosidade, etc. As pessoas precisam mesmo parar de ser hipócritas e assumir a sexualidade com naturalidade. Isso vale para lésbicas também.

Anônimo disse...

Hauhuaha. Ri muito! Ah, btw, eu sou gay.

Uomo disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk... Adorei Luciano, só vc pra me tirar gaitadas nesse frio Pensylvânico. Por sinal eu quero aproveitar pra dizer a vc's que tá frio aqui, mas como eu sou gay, estou com calor.
Na boa, vc veja o que a ditadura heterossexual nos obriga a passar. Só pq sou gay preciso declarar isso aos quatro ventos. Se não fosse, não teria que declarar nada. É muito louco isso pra mim.

aldo disse...

É isso aí Dino!!
precisamos tornar a homossexualidade comum.

e como eu sou gay, adoro os gays que saem do armário.

Anônimo disse...

Cara, eu poderia dizer: "é por isso que eu aprecio este blog, pois uma pitada de humor sempre dá mais leveza a assuntos que muitas vezes podem ser complexos e blá blá blá..."

Mas como eu sou gay vou simplesmente dizer que "é por isso que eu adoooooooooooooro este blog!" :D

Gato Van de Kamp disse...

hauahauaaua... Boa Dica... Ainda falo com meu pai isso no dia dos pais.. "Feliz dia dos pais.. ahhh.. eu sou gay"

Cara Comum disse...

O final desse post é muito bom. Mas como eu sou gay ou bissexual ou o que vc quiser, eu ri demais mesmo com isso tudo.. Huahuhaua