segunda-feira, 6 de setembro de 2010

O lar deles

Ontem fui assistir ao filme "Nosso Lar", baseado nos relatos psicografados por Chico Xavier que descrevem a vida após a morte. Eu não acredito em nada disso. Para mim, vida e morte são estados puramente científicos. Morreu, acabou. Não acredito nem em religião, muito menos em deus. Obviamente isto não me impede de assistir ao filme e de me divertir bastante. Eu também não acredito em homem que voa e adoro os filmes do Superman.

Agora, se o filme pretende arrebanhar simpatizantes então eles vão ter que melhorar muito o marketing do pós-morte. Porque a vida pós-morte mostrada por eles é um porre de chata. Agradeço, mas dispenso.

Mas o melhor de tudo foi constatar, mais uma vez, que o quê as pessoas acreditam ou deixam de acreditar não tem a menor importância. Não muda absolutamente nada no mundo, nem uma gota d'água. Se eu decidisse começar a acreditar, neste exato momento, nos preceitos de qualquer uma das mais de mil religiões diferentes disponíveis no mercado, eu iria olhar em volta e perceber que nada mudou. Minha vidinha iria continuar exatamente igual. E tem gente que morre por causa de religião. E tem gente que mata por causa de religião. Eu acho isso de uma burrice sem tamanho...

3 comentários:

Papai Urso do Interior disse...

Fazer o q, né? A Globo Filmes ñ sabe + o q fazer p/ revitalizar o cinema brasileiro, virou caça-níqueis em co-produções ao sabor do q o público anseia... Só falta agora a auto-ajuda de Paulo Coelho se materializar na tela grande com roteiro calcado em papos 'motivacionais', marketing pessoal e palestras sobre empreendorismo! Bem comentado, você foi brilhante + 1 vez.

[ joe ] disse...

Nossa, eu pego teu texto da primeira palavra ao último ponto e concordo com ele inteirinho. Sem ficar nada de fora.
Você é um sábio, cara. Saiba disso.

[j]

Felipe disse...

Olá Luciano, tudo bem?
Já leio seu blog há um certo tempo, mas hoje decidi finalmente comentar porque também precisava falar sobre esse filme.
Acho incrível como muitas pessoas realmente fazem da própria vida algo tedioso. Imagina viver naquela monotonia toda? Deus me livre! O filme foi ótimo pra mim porque me deu mais certeza sobre uma coisa: sem religião o ser humano aproveita muito mais do que a vida oferece.
Abraço.