domingo, 29 de abril de 2012

Hotel Room Portraits


Eu percebo que muita gente não tem ideia do que é conviver em uma relação a dois. Fico com a impressão que muitos estão preocupados em tentar evitar um "padrão hétero de comportamento" e, sinceramente, nem sei o quê é isto. Porque conviver a dois não segue padrões héteros ou homos, mas padrões de amor, amizade, cumplicidade e respeito, que são absolutamente universais.

Conviver a dois é fazer amor 24 horas por dia. E entender que fazer amor é assistir ao filme na TV juntinhos no sofá, trazer um cafezinho quente na cama, deixar a última fatia de pudim para ele, cantar juntos desafinados no carro, fazer a comida que ele gosta, e saber lidar a dois com os mau humores, os momentos de tristeza, as contas - e tudo que acontece na vida de um casal. Porque fazer sexo é fácil até com estranhos, mas fazer amor só é possível com quem se ama.

Fica muito mais fácil compreender um pouco da cumplicidade da vida a dois observando a intimidade do fotógrafo Richard Renaldi (da postagem anterior Touching Strangers) e seu maridão Seth Boyd nesta série especial Hotel Room Portraits composta de retratos do casal nos vários quartos de hotel pelos quais eles são obrigados a passar nas viagens constantes. Viver a dois é isto.




O ensaio é composto de 64 fotos de diferentes épocas e equivale a uma espiada na intimidade do casal.

20 comentários:

Margot disse...

Rrsrr... ahhh Luciano. Como é bom matar a cobra e mostrar o pau, não é mesmo?
Fotos lindas e fazer amor é mesmo muito mais que fazer sexo. Faz-se amor nos menores gestos. Abraços... querido.

Anônimo disse...

Só eu que tô achando esse fotógrafo a CARA do Alexander McQuenn? O_O

Dimas disse...

Na primeira foto (sofá), o cara da esquerda é muito fofo, meu número!

Vivo há 09 anos praticamente todos os momentos com meu parceiro, e nos detalhes é que percebe o carinho, atenção e o companheirismo.

Não é fácil a convivência diária, mas sem dúvida é uma experiência muito enriquecedora ...

Aldo disse...

Amei.
Fiquei feliz pelo o que disse no texto. É isso aí mesmo.
E que fotos lindas , hein!

Fernando disse...

Luciano,

Ainda acho que você se foca demais nas discussões recorrentes do conceito de casal, do que você pensa ser natural e do que os outros (nos quais frequentemente eu me classifico) consideram como idealizaçao do modelo hetero de perfeiçao da vida a dois.

E discordo de tudo o que você disse sobre viver a dois. Odeio ficar mais do que 5 minutos grudadinho (quanto mais assistir um filme inteiro!) juntinhos no sofa. A ultima fatia de pudim sempre é minha, porque ele com a educaçao francesa dele sempre deixara a ultima fatia intacta e eu manipularei isso ao meu favor. :D Odeio ser chamado de "marido" porque acho que isso implica uma divisao de papéis com a qual nao me identifico muito bem. Acho que provavelmente nunca toparei usar aliança porque acho isso uma das coisas mais cafonas ever.

Mas pode ser isso o que você considera "viver a dois". E bem... é o seu direito. Mas o que você considera nao é o modelo universal... e isso é o que eu, quando comento em posts desse tipo, tento dizer.

E somente para ficar registrado que eu nao sou tao insensivel ao romance, para mim, os simbolos de viver a dois sao alguns. Quando ele acorda, e antes de sair, ele sempre me beija mesmo que eu esteja dormindo. Quando a gente planeja alguma viagem, e dentro das restriçoes financeiras existentes, ele sempre da uma enorme prioridade aos meus sonhos mais insanos de destinos turisticos. Quando ele chega em casa, rola aquela felicidade de "eba, nao estou mais sozinho", a gente se abraça e tem aquela conversa do tipo "puta, o meu dia foi uma merda, como foi o seu?" e a gente se motiva para o dia seguinte. So que, no meu caso, eu nao idealizo isso, porque acho que todos os pontos negativos, falhos e nem um pouco romanticos de estarmos juntos também fazem parte do rol de coisas que me faz pensar todo dia "esse é o cara".

Entendeu? Esse pelo menos é o meu ponto de vista.

Beijos,
Fer.

Anônimo disse...

Luciano, eu também vivo tentando entender o que é o tal "padrão hétero de comportamento". Acho que seria melhor saber se existe um "padrão homo de comportamento", porque se existe, eu definitivamente não me encaixo nele.
Bom, mas deixá pra lá. Simplesmente lindas as fotos! É preciso, além de amor e cumplicidade, maturidade e paciencia para levar uma vida a dois e isso vale para qualquer casal independente da orientação sexual.
Ricardo E.

Marcos Rocha disse...

as vezes penso que estes críticos de plantão são incapazes de ser feliz e por isso criticam este ou aquele modo de vida... o amor é lindo, é completo, é doce, é cumplice e jamais tenta se auto-rotular (é assi que se escreve? essas novas regras me matam)
Penso que cada um devia ver o mundo a partir do seu ponto de vista, mas naquilo que concerne a si e não aquilo que implica a vida alheia. Se cada um cuidasse do seu próprio rabo, com certeza seríamos mais felizes... e viva o amor... seja qual for a forma como ele se apresente...

Dinhö disse...

Eu casava com os dois...

...ao mesmo tempo.

railer disse...

muito bom, luciano. você sempre mandando bem nas postagens!

achei o máximo a série de fotos deles, inclusive porque também, além da intimidade, um pouco como um vai mudando com o tempo e, quando se faz isso junto de alguém, fica até mais gostoso.

abraços!

Luciano disse...

@Fernando:
Se você encontrou o seu jeito de viver a dois, ótimo!
Se você prestar a atenção vai entender que o meu texto é direcionado a quem ainda não vive junto, ainda não descobriu este jeito. E eu critico a busca de uma fórmula que simplesmente não existe, porque a verdade é que o seu amor é você que inventa.
Abraço,
**

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

"padrões de amor, amizade, cumplicidade e respeito, que são absolutamente universais."

uma verdade isto ... mas a maioria das relações héteros não são pautadas assim ... e infelizmente tb as relações homo trilham o mesmo caminho ...

Anônimo disse...

Esse Fernando é metidinho heim!!!
Quanto ao peludinho da foto, delicia heim meu número!!!

Anônimo disse...

No final é tudo gente! Mas o povo insiste nessa lenga lenga boba de homo, hétero, quem ainda não descobriu como viver junto, qualquer maneira de amor vale a pena, heteronormativo, homoafetivo... Tudo tão limpinho, arrumadinho e fotogênico (aliás, as fotos são bem banais e não se tornam melhor ou pior, e muito menos especiais, só porque se trata de dois homens). Clichês elevados ao cubo para deixar a preguiça ainda maior. Caretice, a gente vê por aqui.

Anônimo disse...

Adorei o post e as fotos como sempre vc e mto bom! Mas esta bil afrancescada sei que o o certo seria afrancesada kra mto chato sei que cada um tem direito a seu ponto de vista mas parece ter prazer em discordar e da forma mais arrogante e no final manda bjo e fer bitch please!!

João disse...

Ótimas fotos, mas nenhuma expressão de alegria nos rostos do casal. Como assim?

João disse...

E aliás, não é fácil a convivência diária, nada fácil!

Anônimo disse...

muito bom seu texto luciano, só esqueceu de comentar que os dois são dois gatos, eheheh.
e esse outro, à sombra da torre eiffel ( hulala que original), sempre brindando a todos com seus comentários primosamente perspicazes, complexos e edificantes (só que não).

P. Florindo disse...

Achei as fotos lindas. Só não entendi porque os dois não sorriem, como foi comentado anteriormente.

Anônimo disse...

FAZIA A TRES!!! E SOMENTE A TRES!!!

Thiago Lasco disse...

Sua postagem foi muito inspiradora, tanto pelas imagens recomendadas como pelo seu texto, que se completa com a discussão em torno dele. Se sua intenção era mandar um recado àqueles que ainda não vivem junto, você conseguiu (pelo menos da minha parte). =)