quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Égalité

François Hollande parece realmente disposto a dar uma banana para os apelos do Vaticano aprovando o casamento igualitário na França e promovendo guerra contra a homofobia. A França já tem um tipo de contrato de parceria civil que é inclusive utilizado por muitos casais héteros, mas ainda não tem igualdade total no casamento, e o Vaticano tem feito críticas severas para evitar que a França siga a mesma direção da Espanha. Parece que os tradicionais países católicos europeus finalmente estão vendo a luz, embora a situação na Itália ainda seja considerada crítica para os homossexuais.

A certeza do engajamento de François Hollande veio com seu discurso ontem no plenário das Nações Unidas. "A França confirma seu compromisso de continuar engajada nestas lutas: pela abolição da pena de morte, pelo direito da mulher à igualdade e dignidade, pela descriminalização universal da homossexualidade, que não deve ser considerada um crime, mas, ao contrário, reconhecida como orientação sexual".

Ahmadinejad, do Irã, estava lá. Dilma, do Brasil, também. Será que aprenderam alguma coisa?

5 comentários:

Margot disse...

Tomara que eles tenham pelo menos escutado Luciano... tomara.
Beijos

Anônimo disse...

A inútil da nossa presidente? não, ela estava ocupada escrevendo os sermões que gosta de dar para os países ricos, como se algum deles escutasse sua verborragia ridícula

Pedro disse...

Luciano, vc poderia falar mais sobre a questão da homossexualidade na Itália? Tipo, sei que é o mais machista e menos simpatixante dos países católicos da Europa, até pela presença do Vaticano, mas nada muito além disso...
Queria saber se a homofobia é muito fote, se tem tantos crimes quanto aqui, como é a dita "cena gay", etc. Se puder fazer um post sobre isso, seria ótimo!

railer disse...

que bom que essas ações começam a aparecer e tomara mesmo que tenham efeitos nos outros países.

Fernando disse...

Ainda nao consigo entender como uma mulher liberada e moderna como a Bruni tenha conseguido se aliar à uma pessoa que mudou tanto seu posicionamento em questoes que ele nao precisava ter mudado tanto. Enfim, finalmente os franceses vao poder adequar as leis do pais ao ideal de pais liberal e de habitos modernos, como eles gostam tanto de se ver (e surpreendemente, a Alemanha vai ficar com o titulo de grande pais conservador nesse quesito).

@Pedro: Se você se interessa nessa historia de direitos gays na Italia, tem um documentario de alguns anos atras que pode te interessar - se chama "Suddenly, last winter", de um casal de jornalista+cineasta italiano. Muito muito bom.