quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Deixa de ti-ti-ti!

Você alguma vez já chegou naquele ponto de ligar o "então, foda-se!"? Naquele ponto quando a gente já explicou de todas as maneiras sutis e educadas, já fez até desenho, mas as cabeças burras continuam se recusando a entender? Quando o único jeito é deixar a sutileza de lado e falar na lata o que precisa ser dito?

Ontem o personagem da Isis Valverde em Ti-ti-ti chegou a este ponto, com muita classe. Eu não estou seguindo a novela religiosamente, mas ao final de todo dia eu entro lá no site do G1 e assisto às cenas em que aparecem os personagens do André Arteche, da Giulia Gam e da Isis Valverde. O texto que estes personagens têm interpretado é muitas vezes emocionante e de um esmero raro. Para quem não está seguindo a trama, Marcela (Isis Valverde) é a melhor amiga de Julinho (André Arteche), que é gay e perdeu o namorado Osmar em um acidente de carro. A mãe de Osmar, d. Bruna (Giulia Gam) não aceita a homossexualidade do filho - nem depois de morto - e passou a hostilizar o genro Julinho que ela amava feito um filho até saber que ele havia sido namorado de Osmar.

Mais uma vez o texto de Maria Adelaide Amaral me surpreendeu e me emocionou. Muito.

13 comentários:

TONY GOES disse...

Cena maravilhosa, muitíssimo bem escrita e interpretada. Totalmente verdadeira, personagens incrivelmente verossímeis. Um marco na TV brasileira.

Diego disse...

Gente, é verdade. Ficou muito boa, muito cuidadosa. Nessas horas, a gente vê que é possível - e muito - a tevê entreter e, ao mesmo tempo, prestar um serviço. E com qualidade.

David ®... disse...

alguém pelo amor de Deus liga na Globo e pede pra colocar essa novela no lugar de Passione!!!!!!

O povo brasileiro tá precisando de novela com qualidade no horário nobre.

Maria Adelaide Amaral, um super beijo sua fofa!

Caju disse...

Amay.
Só espero que mamãe e papai tenham assistido também. Gente, o texto foi fantástico e a interpretação de ambas, idem. Isso, sim, poderia ser o papel das novelas.

AliKerouak disse...

Nossa Luciano, que lindo!

Eu: Alemberg Santana disse...

Toda forma de militância é valida e a Rede Globo atingiu o seu máximo nessa novela, vários personagens gays, textos bem elaborados e intepretações primorosas.

Parabéns a Rede Globo.

Rodrigo disse...

Bah, eu não acompanho, mas cena ímpar.
E como ja bem disseram, Parabéns a Maria Adelaide.

Paulo Braccini disse...

Eu tb não acompanho, mas a cena é ímpar.
E como ja bem disseram, pParabéns a Maria Adelaide Amaral ... TV de qualidade tem q ser assim ... quem sabe a moda pega ...

;-)

noportao disse...

eu não assisto a novela, mas tenho que concordar contigo o texto é de uma beleza impar...

Papai Urso do Interior disse...

Pelo que li e o pouco que lembro, nenhuma das duas existiam no original de 1985, onde Leclair era muito menos afetado e Valentim menos pastelão. Apesar de Maria Adelaide dizer que não se trata de um remake, mas de uma homenagem, não gosto e não acompanho... Mas o que dizer de uma cenas dessas? A situação de embate de ideias é delicada, o texto está impecável e as duas deram um banho de interpretação! Se houvesse Emmy brasileiro, eis duas fortes concorrentes.

Anônimo disse...

Gosto muito do texto.
Nesta cena, em especial, acho a Giulia Gam excelente e esperava mais da Isis Valverde.
Guilherme

cronicas gulosas disse...

Ótima cena, sem floreios nem meias-palavras. Não acompanho a novela, mas esta cena foi muito bem escrita. Uma situação totalmente verossímil - aliás, quase lugar comum (da mãe que acha que o outro "transformou" seu filho em gay), e interpretada também com bastante realismo. Parabéns à M.Adelaide.

Anônimo disse...

vale lembrar tb do trabalho de andre arteche, impecavel!!!