sábado, 11 de dezembro de 2010

Michael não morreu

Certamente daqui 20 anos ainda serão lançadas músicas inéditas de Michael Jackson descobertas em algum fundo falso de baú, além de novas mixagens e arranjos para gravações antigas. E a gente vai chegar à conclusão que Michael Jackson está cantando cada vez melhor.

É difícil ouvir Michael, o disco de inéditas que chega às lojas nesta semana, sem ser imparcial. Sem lembrar que Michael Jackson está morto e que nunca mais vai gravar outra vez. Mas mesmo assim o disco é bom e gostoso de ouvir.

Examinando a capa do disco com atenção a gente percebe que há uma colagem de capas antigas no fundo que emolduram a cena da "coroação" do rei do pop por anjinhos - confirmando que a morte não lhe tirou a majestade.

Por razões óbvias a palavra final do disco, pela primeira vez, não foi dada pelo próprio Michael. Fiquei imaginando quem deve ter tido a última palavra na edição das músicas, nos arranjos, em todas as centenas de escolhas e decisões que envolvem um lançamento desta natureza. Mas, ouvindo as músicas, tive a certeza que tentaram o máximo possível fazer o que Michael Jackson provavelmente teria feito.

4 comentários:

Lobo disse...

Michael faz parte daquele grupo de celebridades que ficaram muito mais famosas depois da sua morte... e vai ficar ainda mais com o tempo hahaha

Um beijo Lu!

Daniel disse...

Esse disco é pavoroso. Da capa ao conteúdo. Mas é exatamente o tipo de coisa que o Michael de hoje aprovaria (ou não, sei lá).

Essa "Hold my hand" (que nem é novidade, já tinha vazado desde o 1º semestre) é mais o MJ fazendo backing vocals numa música do Akon, né? Além de ser um recorte de clichês do gênero R&B. Aquele pop açucaradíssimo sobre salvar o mundo, dias melhores, bla bla bla.

Cara Comum disse...

Amo o Michael! prontofalei!

Papai Urso do Interior disse...

Tirar leite de vaca morta, qual será o sabor desse leite? Não vou provar, porque MJ já não fazia coisa nova tinha uma década e fiquei com preguiça dele, depois que bateu as botas, mais preguiça ainda... A capa é horrorosa, barroca, carregada de simbologias que remetem a realeza, ao rei disso e daquilo, bem a cara dele mesmo... E tome coletânea, e tome faixas 'inéditas' que ainda serão 'descobertas' (esses produtores acham que a gente nasceu ontem, rsrsrs...), meu foco agora são os albuns de Madonna e Lady GaGa p/ 2011 urgente, mais gay que essa minha curiosidade/preocupação musical não há... rsrsrs...