terça-feira, 14 de dezembro de 2010

WikiLeaks é a Revista Bundas

Imagine que sua vizinha mocreia e gorda gosta de fazer a dança da boquinha da garrafa no fundo do quintal só de tanguinha de crochê. E que você a filmou pela janela sem ela perceber e colocou o vídeo no YouTube. O caso do vazamento de informações sensíveis que o mundo todo está comentando é bastante parecido - mas o WikiLeaks é só o YouTube da história.

"Wiki" significa 'rápido' em havaiano e tem sido usado para designar alguns projetos colaborativos na Internet. O aplicativo wiki é normalmente disponibilizado por algum portal, e o conteúdo é inserido pelos usuários. É mais um dos fantásticos usos da Internet e tem produzido projetos maravilhosos como a Wikipedia, o Wikitionary, e muitos outros. O próprio WikiLeaks ganhou muitos prêmios de jornalismo em 2008 e 2009 incluindo o UK Media Award da Anistia Internacional.

No mundo sempre houve gente com informações sensíveis e sempre houve gente interessada em conhecer o conteúdo destas informações. A Internet agora disponibiliza o canal para a publicação. A indústria fonográfica, a indústria do cinema, as editoras, os jornais, as revistas - todos estão tendo que se adaptar. Adaptar ou morrer. Vivemos a era da divulgação. E isto é uma coisa boa.

Os Estados Unidos demonstraram grande preocupação com as informações vazadas porque são, via de regra, um país que fala e faz muita besteira. Ao contrário dos embaixadores brasileiros, que são de carreira, os americanos são apontados pelo presidente com motivação puramente econômica. São normalmente grandes empresários servindo de relações públicas americanas no país para onde foram designados. São diplomatas que conhecem pouco de diplomacia de carreira e normalmente falam e escrevem muito mais do que devem.

Todo mundo está careca de saber que quando os microfones são desligados e as luzes apagadas eles falam mal do Chávez. E do Irã. E das bebedeiras do Lula. E do passado da Dilma. E da inconstância da Cristina Kirchner. E das burradas do Berlusconi. E de um montão de outras coisas. Mas tudo que foi divulgado até agora mais parece fofoca de salão de cabeleireiro. Coisa de Revista Caras. Ou, no caso destas fofoquinhas mixurucas, de Revista Bundas.

Vivemos a era dos vídeos de celebridades fazendo sexo que pipocam na rede quase todo dia. De documentos secretos que são divulgados a toda hora. De diálogos sigilosos que são reproduzidos a três por quatro. De discos e filmes que vazam antes do lançamento. Para a indignação dos Estados Unidos com a divulgação de informações pelo WikiLeaks eu só tenho a dizer "Apertem os cintos e sejam bem-vindos à era digital. Isto é só o começo!".

8 comentários:

Daniel disse...

E a culpa disso tudo é do Assange? Os EUA que cuidassem melhor da sua área de serviço, não é mesmo?

Luciano disse...

@Daniel,
Pois é. O Assange deveria até ganhar um prêmio. Se o levarem para os Estados Unidos dificilmente vão conseguir processá-lo - o direito à liberdade de expressão é regra de ouro lá. Por isso vão ter que correr atrás de alguma outra coisa, como a acusação de estupro, ou algo como elisão fiscal ou não pagamento de alguma multa de trânsito.
**

Eu: Alemberg Santana disse...

Dostoiévski em Os Irmão Karamanov trouxe para a Humanidade uma pela discussão através da fala de um dos seus personagens: "SE DEUS ESTA MORTO ENTÃO TUDO É PERMITIDO?"

Pelo visto sim. Durante um bom tempo da história quando o homem deixou de acreditar na onipotência, onisciência e onipresença de Deus, tudo que pelo menos não era vista, era permitido.

Agora que o homem se divinizou e tornou ele próprio onipotente, onisciente e onipresente, através da tecnologia, nem tudo é mais permitido. Todo mundo tem um celular com câmera, as coisas são transmitida em tempo real, com o telefone, videoconferência, fax etc todo mundo está em todos lugares ao mesmo tempo.

E assim o Homem se fez Onipotente, Onisciente e Onipresente e ninguém mais precisa temer o olho de Deus, só os olhos dos homens.

Gui disse...

Até hoje eu me pergunto como eles conseguiram esses documentos.

Mas olha, nem achei ruim a divulgação não, tem mais é que colocar a boca no trombone.

Paulo Braccini disse...

sua percepção dos fatos é perfeita ... Caras e Bundas mesmo!

;-)

Papai Urso do Interior disse...

Segmentos dos EUA querem agora demonizar o WikiLeaks (como se isso fosse possível, tadinhos), ... tarde demais, ianques da pseudomoral e super-heróis do planeta, não vão conseguir. Como vc diz no seu texto, adapte-se ou morra, tb acho irreversível querer planificar uma via tão democrática como a internet e sim, nossas 'autoridades' dizem coisas estapafúrdias e agem como idiotas, tá lá tudo registrado, hoje ninguém pode sair-se com essa de 'eu não sabia disso sobre ele/ela' ou que não se soube/viu/ouviu declarações contundentes de Dilma ('sou a favor da descriminalização...'), deslizes de Lula ('Pelotas é maior 'fábrica' de gays do país'), de Ciro Gomes ('Essa mulher é um perigo para o Brasil' - sobre Dilma, de quem veio a ser diretor de campanha), e muitos outros, independente de se comentar esses absurdos formal ou informalmente, por que então nos EUA seria diferente, né? Revista Bundas é tuuuudo num país com Presidenta Dilma e deputado Tiririca, rsrsrs... E EUA tem de aprender a rir de si mesmo, afinal são tão patéticos ou mais que a gente, rsrsrs...

Dêco disse...

Os USA que se cuide, pq este pode ser apenas o princípio das dores. Caras e Bundas, a revista que vai dar o que falar.

Rico disse...

Todos os diplomatas, de qualquer país, fazem esses tipos de observações quando escrevem relatórios e despachos confidenciais para informar da situação nos países onde estão. Incluindo os diplomatas "de carreira" do Brasil. Se vocês notarem, nenhum diplomata brasileiro se pronunciou a respeito do assunto. A imprensa brasileira está tentando fazer disso um assunto diário, mas francamente, existem coisas mais importantes acontecendo do que discussão de fofocas.
O assunto é sensível porque existe muita gente no mundo que só precisa de uma besteira como essa para planejar atos terroristas.
Caso vocês não saibam, a posse e divulgação de informações confidenciais é crime nos USA e no Brasil também. Não tem nada a ver com liberdade de expressão e direito de informação. É a mesma coisa que comprar os dados financeiros de uma pessoa e publicar num jornal pra quem quiser ler.