sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Quem redefiniu o casamento?

Os grupos que lutam contra a aprovação da igualdade de direitos para os casamentos heterossexuais e homossexuais argumentam que o casamento é uma instituição tradicional e antiga que ninguém tem o direito de redefinir. Em artigo publicado no USA Today sob o título "Quem Redefiniu o Casamento?", os historiadores Stephanie Coontz e William Doherty afirmam que a resposta é muito simples: quer saber quem redefiniu o casamento? Basta olhar no espelho.

1. Foram os heterossexuais que disseram um dia que o casamento tinha que ser voluntário e não arranjado como havia sido durante séculos. Redefiniram que o casamento deveria ser sobre amor e satisfação sexual.

2. Foram os heterossexuais que disseram um dia que as pessoas deveriam casar de livre e espontânea vontade, e que a união não deveria acontecer para atender a interesses políticos e econômicos como havia sido durante tempos.

3. Foram os heterossexuais que disseram um dia que os casais deveriam ter direito a métodos de controle de natalidade no momento em que a procriação deixou de ser um dos preceitos do casamento.

4. Foram os heterossexuais que disseram um dia que no casamento não deveriam existir papeis fixos, e que uma esposa podia muito bem trabalhar fora enquanto o marido tomava conta da casa e que ambos podiam se responsabilizar pela educação dos filhos.

O casamento vem sendo redefinido como resultado das mudanças sociais trazidas pelas conquistas resultantes da luta por integração, pelos direitos da mulher, pela simples evolução natural dos costumes.

Então não me venham com esta conversa fiada de que os gays estão tentando mudar tudo. Melhor enfiar a viola no saco e ir cantar em outra freguesia. Porque o mundo está mudando bem depressa. E não fomos nós que começamos. E quem fica parado acaba atropelado pelo bonde da história.

4 comentários:

Daniel disse...

E o que é uma "instituição tradicional" senão uma abstração da nossa cabeça sujeita à definição que o seu tempo determinar?

Anônimo disse...

Que sacada perfeita!

OZ disse...

Excelente Luciano, deixa a metralhadora e o café pra lá e continua trazendo boa informação pra roda!

Papai Urso do Interior disse...

Da minha curta fase bi, sobrevivi a um 'cagamento' hetero sem enlouquecer. Disso tirei uma lição e uma teoria sobre o q é d fato esta instituição: uma invenção do capitalismo e da igreja p/ prender um homem numa situação na qual será o provedor d todo um sistema de coisas q ele, o homem, jamais procurou para si, mas q lhe são apresentadas pela mulher (tal com o Eva apresenta a maçã a Adão), tais como gato, cachorro, crianças, faturas, aluguéis, financiamentos, faculdade dos filhos... Uma bola d neve dos infernos q faz o q? Leva o homem em média 7 anos mais cedo q a mulher, d acordo c/ estatísticas comprovadas. E a mulher? Ah pode ter certeza q estará muito bem após enterrar o marido, já terá os filhos criados e encaminhados, ainda poderá ter amantes e gozar a pensão por viuvez. Quem se fodeu? O homem! Resumo da Opera ou Moral da Historia: 1. Mulher mata! 2. Casamento [hetero] = ônibus lotado (quem tá fora quer entrar; quem tá dentro quer sair).