sexta-feira, 22 de outubro de 2010

3 graus de separação

A Irlanda, atualmente presidida pela ultra simpatizante Mary McAleese (já falei dela aqui), também está em campanha para troca de presidentes com eleições agendadas para novembro. O candidato que está na dianteira, com larga vantagem, é David Norris. David Norris está prestes a se tornar o primeiro presidente gay da Irlanda. O fato de ele ser assumidamente gay é tão natural que nem entra em discussão na campanha.





No Brasil os dois candidatos mais votados no primeiro turno fazem alianças com deus e com o diabo em troca de votos. Ignoram toda a história de luta pela igualdade de direitos dos homossexuais e se curvam às demandas da extrema direita religiosa.


Na Uganda, onde ser gay é praticamente uma sentença de morte, um jornal publicou as fotos de 100 homens gays do país. Assim a própria população pode se encarregar de caçá-los e linchá-los, poupando a polícia do trabalho de ter que prendê-los e executá-los na cadeia.








Eu cresci acreditando que todos os homens são iguais. Mas nunca conseguiram me explicar porquê alguns homens são muito menos iguais do que outros.

4 comentários:

Guilherme Fe Alves disse...

E nos EUA o presidente faz um vídeo de apoio às campanhas anti-bullying, pro sensacional It Gets Better Project.

http://www.youtube.com/watch?v=HzcAR6yQhF8

David ®... disse...

primeiro presidente gay da Irlanda? acho q do mundo...pelmo menos assumido né?..rs

carlos castro disse...

É bom saber que em alguns paises ser gay nao é ser uma aberração. Mas é triste saber que ha paises onde ser gay é ser um criminoso. Porem acredito que as coisas estao melhorando e caminhando para um lado mais amigavel para os gays.

Antonio Carlos disse...

Quando morei em Londres no final dos anos 70 e início dos anos 80, foi inevitável o choque ao qual um "mauricinho burguês" do interior paulista foi submetido. Era tudo tão diferente que valores antes tão importantes não passavam de fatos insignificantes.E minha cabecinha funcionava a mil. Via, lia, ouvia tudo e tentava absorver o máximo daquela sociedade que literalmente abalou minhas estruturas pelo resto da vida. Uma das coisas que me vinha a cabeça, era "quando isso vai ser assim no Brasil?" Olhava os postes sem fiação eletrica e me perguntava, olhava o preço da gasolina abaixar e me perguntava, presenciava uma sessao de cinema ser interrompida pelo fato do ar condicionado não estar funcionando adequadamente (direitos) e me perguntava...Mas com certeza, a pergunta mais importante era a respeito de quando em meu país cada individuo seria respeitado da forma como nasceu ou resolveu ser, quer pelos governantes ou simplesmente por seu vizinho.Já se foram quase 40 anos e vejo que ao contrário dos filmes de cinema, clips musicais, lançamentos musicais, algumas coisas tardem muito, ou mesmo nunca venham...