sexta-feira, 29 de outubro de 2010

It's all over now, Baby Blue...

Hoje encerra-se a campanha eleitoral mais bizarra de que se tem notícia em toda a história do país. Durante algum tempo eu me peguei perguntando sobre o debate que nunca houve com os problemas do país e as propostas dos candidatos. Mas daí eu resolvi descer dois degraus abaixo das nuvens que fazem com que a gente ache que tudo deve ter um propósito nobre.

E me dei conta do óbvio: a principal função da campanha eleitoral para o candidato não é discutir propostas, mas angariar votos. E para angariar votos o candidato vai falar o que não acredita, prometer o impossível, apertar a mão de gente suja e suada na rua, beijar criancinhas remelentas, tomar dezenas de cafezinhos intragáveis, sentar-se com corruptos, e comer com ladrões. À noite o candidato chega em casa e toma um banho demorado para se livrar daquele ranço de povo e manda queimar as roupas encharcadas pelo suor do sacrifício feito pelo voto. Depois de eleito não vai ter o menor pudor em esquecer de tudo que disse - afinal, são só "promessas de campanha" mesmo. E em campanha vale dizer qualquer coisa para garantir votos.

Então, se você quer ver algum nexo nesta história toda, jogue toda a campanha no lixo. Esqueça tudo que viu e ouviu nestes últimos meses. O período da campanha não serviu para nada, senão para tentar vender uma falsa ilusão.

Eu voto no Serra, e esta tem sido minha posição desde o início. Estou ciente da pletora de defeitos que ele carrega, mas não tenho dúvida que ele é melhor, mais preparado e mais eficiente que a Dilma. Mas tenho que admitir que a campanha da Dilma foi muitíssimo mais bem elaborada. A ponto de vender melhor a falsa ilusão. Dilma continua a mesma mulher sem nenhum estôfo político do começo da campanha - só que agora com frases mais bem decoradas. E com um agravante - a campanha de Dilma é toda centrada em um produto que não vai ser entregue: o Lula!

        Leave your stepping stones behind, something calls for you
        Forget the dead you've left, they will not follow you
        The vagabond who's rapping at your door is standing in the clothes you once wore
        Strike another match, go start anew
        It's all over now, Baby blue....

                          (Bob Dylan)

11 comentários:

Fernando disse...

Voto na Dilma por questoes de principios e crencas de teoria economica. Nao concordo com o Serra, acho o que ele defende como "economicamente melhor para o pais" uma formula batida, falha e ortodoxa ao extremo em termos de teoria economica.

Mas pela primeira vez li alguem defender seu voto no Serra sem me fazer revirar os olhos. Argumentos bons e claros, que refletem o que e importante para voce. Parabens.

Luciano disse...

@Fernando:
Isto é uma das coisas mais bonitas de uma democracia - a liberdade que cada um tem de expôr sua opinião e não ser perseguido e morto por isso. E saber que na segunda-feira após as eleições não vão mais existir dilmistas e serristas - mas brasileiros, e um dos candidatos vai estar cumprimentando o outro pela vitória, e o mundo não vai acabar.
E a partir de segunda-feira a gente já vai saber o nome da pessoa para quem temos que endereçar todas as nossas reivindicações. Porque só vamos conseguir algum progresso se nos unirmos para deter o avanço da extrema direita religiosa (que aumentou em muito sua bancada no Congresso) e conseguir a concessão dos direitos e da proteção que nos darão respeito e dignidade.
Abraço,
**

Introspective disse...

Tá vendo? Já temos um progresso: o Fernando parou de tachar de "conservador retrógrado reacionário de direita" todo mundo que não gosta da Dilma como ele.

Papai Urso do Interior disse...

É isso aí, Luciano, podemos dizer seguramente que de tudo que se apresenta de ruim e de sórdido no horizonte, Serra é o menos pior num pleito marcado por coisas macabras e até sobrenaturais, é como se o Brasil estivesse anestesiado, sob o efeito de alguma droga populista, se atendo a índices que a meu8 ver seriam alcançados de qualquer forma devido a situação da estasbilidade economica, essa alucinação coletiva que tomou a 'quase' todos, os faz esquecer atos absurdos como corrupção descarada na Casa Civil em cargos de confiança da candidata, presidente-cabo-eleitoral, a candidata tresloucada dizendo que as colaborações 'oficiais' de sua campanha estavam devidamente registradas e arrancando vaias e risos da plateia... Logo mais tudo isso será condenado ou ratificado em frente à urna. Sou Serra agora, como fui Alckmin em 2006 e ainda assim Lula dizendo 'não saber de nada' sobre toda sujeira que o cercava, ganhou e fez do Brasil o que é hoje, uma ditadura civil, burra, com setores da imprensa totalmente acéfalos e devidamente na folha de pagamento do governo federal... it's a SHAME, in CAPSLOCK!!!!! Estou preparado para mais burrice ou a mudança tão ansiada por gente como nós, cansados de sem-vergonhice com a coisa pública. É nessas horas que vejo o quanto ter escolarização e ter frequentado os bancos universitários foi importante pra mim, embora hoje em dia isso seja só um detalhe na formação moral das pessoas... Esperemos pelo bom senso e não pelos seguidores de migalhas, do contrário será mais do mesmo.

Anônimo disse...

parece que os gays que tem medo da dilma não viram a propaganda do Serra com o Malafaia.
Só ter esse sujeito perto do poder é mais grave que qualquer deslize da Dilma.

vc tem noção que ele levou o maior inimigo dos direitos iguais ao horário eleitoral?

Parece que não, né.

Nào estou aqui pra perseguir nem matar ninguém. Só pra lembrar a incoerência de gays que votam no serrra.

A dilma não fez nada a favor dos gays, mas o maior inimigo está do lado do Serra.

E numa eleição que mais parece um circo dos horrores, os detalhes fazem a diferença.

Eu não voto a favor da Dilma -- votei no Serra pra governador -- mas vou votar contra tudo que o Serra representou nessa campanha.

E não entendo como os outros gays não entenderam o que ele representa.

Está tão óbvio...

Daniel

Papai Urso do Interior disse...

Candidato tem de ser político no real sentido da palavra, caro Anônimo, isso implica não fazer acepção de pessoas, sejam estas pessoas pró ou contra a causa da homocidadania, candidato nenhum pode se dar ao luxo de rejeitar adesões de pessoas públicas ou formadoras de opinião numa reta final de campanha, isso é burrice. O cara vem apertar tua mão e diz que tá com vc, então vc se vira e diz, 'cai fora, homofóbico!' Isso seria inteligente? Não me parece que Dilma tenha estapeado nenhum pastor, não é mesmo? De atéia ela passou a frequentar até missas, e o que é mais calculado ainda, sabendo que Serra visitaria o Santuário de Aparecida em 12/10, ela urdiu e pôs em prática sua ida para lá um dia antes, em 11/10, lá fez todo o gestual da hipocrisia, sob as bênçãos do lulismo e do catolicismo. Até onde me conste, Serra sempre foi católico e desde sempre considerou aborto um crime, como também manifesta-se contra o uso de ministérios e presidencia de estatais como cabide de empreços para a dobradinha PT-PMDB. Sou gay e entendo que se a parceria não sair no governo de Serra, a culpa não será 'só' dele, seria ingênuo se caísse na onda da satanização de Serra. Parece que todos esquecem o tanto de monstros evangélicos-fascistas que foram reconfirmados com fartos votos para continuar a perseguição LGBT como senadores e deputados federais, vamos nos informar mais, ok? Cada um na sua, sem catequizar ninguém... Repito: a urna dirá se essa zona continua ou muda... A propósito gostei do último programa da insana Dilma, ela deixou-se flagrar num momento 'desarmado', parecia uma entrevista informal, não falava como candidata, estava relaxada e por vezes até deixou escapar alguma feminilidade, se tivesse agido daquela forma desde o começo teria visto nela algum traço de humanidade e não estaria aqui postando este comentário cheio de acidez, embora ainda ache Serra anos-luz à frente dela em preparo... Bom, aos dilmistas e serristas, alia jacta est...

Eu: Alemberg Santana disse...

Não é a primeira vez que a religião entra no debate político brasileiro, em 1985, por exemplo, Fernando Henrique Cardoso, sentiu o gosto amargo da Fé, ao ser evasivo, quando lhe perguntaram, num debate político, transmitido pela TV, se ele acreditava em Deus. Jânio Quadro, seu adversário político da época, venceu a eleição para prefeito de São Paulo, com o “santo” voto dos eleitores conservadores. Nos últimos dias, católicos e evangélicos têm se mobilizado contra a candidatura de Dilma Roussef e José Serra, pela presidência do Brasil, por causa de várias declarações deles em defesa ou contra a legalização do aborto e do casamento gay. Desde então, presidenciáveis e eleitores entraram em uma verdadeira guerra santa e isso é bom, muito bom. Assim, pela primeira vez, a necessidade de separar o Estado da Religião tornou-se evidente e entrou na pauta do dia pela porta da frente. [...]
Não é a toa que o número de pessoas que se declaram ATEU, tem crescido mundo a fora. Homossexualidade e algumas religiões (pelo menos as de origem judaico-cristã) são inconciliáveis e o homossexual que se diz Católico, Batista, Evangélico, Espírita, e afins certamente está acendendo uma vela para Deus e outra para o Diabo, diariamente.
>>>Texto completo no meu Blog<<<

Fernando disse...

@Thiago: Você se recusou a discutir sobre política comigo, honey. Portanto, seguramente você não tem conhecimento suficente sobre as minhas convicções e pensamentos políticos para afirmar até se eu gosto da Dilma ou não.

Minhas crenças políticas não foram formadas no achismo, dear. Estudo Economia, e para mim ter uma opinião política bem formada e consistente (baseada em leitura de texto, não em matéria da Exame e Veja) é tão importante quanto ter um estilo de escrita desenvolvido para você e sua carreira. Afinal, sem isso, economista acaba virando mero operador de mercado financeiro.

cronicas gulosas disse...

Não sou expert em economia (minhas finanças infelizmente comprovam isto), embora todos os analistas expliquem que a política econômica atual começou no governo FHC. Mas algumas expressões do poder PT me assustam. O jornal Estado de SP está sob censura há 440 dias, proibido de comentar qualquer coisa sobre o filho do Sarney, aliado vcs sabem de quem. O projeto de lei que regula a liberdade total de imprensa circula em vários estados atualmente. O milionário filho de Lula (um gênio, segundo o pai)e sua impressionante ascensão sócio/financeira também são assuntos proibidos. A aproximação explícita deste atual ogoverno com outros de caráter autoritário- ou belicista, ou anti-democrático, escolham - também me fazem ver que, entre os males, Serra é minha opção natural. E nem discuto o fato óbvio de Dilma não ter experiência, visto que ela realmente não presidirá nada, é apenas uma figura de proa.

Luciano disse...

@cronicas gulosas:
Você conseguiu sintetizar em poucas linhas as minhas exatas preocupações. Também acho a economia o menor dos problemas - Lula continuou o que FHC começou e certamente não haverá mudanças bruscas com Serra ou com Dilma. Mas quanto ao aparelhamento do estado - isto é simplesmente assustador! Minha cidade já teve um governo do PT e foi possível observar de perto o sistema a nível municipal. A nível federal deve ser ainda mais assustador.
**

Anônimo disse...

Fernando vai ver que eles preferiam Índio da Costa como vice presidente.Homofóbico declarado; gozado como eles não pensaram nisto, né não?