terça-feira, 8 de março de 2011

Liberdade, liberdade, abre as asas sobre nós

Se o recente entrevero com o Galliano tivesse acontecido em Nova York a repercussão teria sido a mesma, ou talvez até maior. O espetáculo foi lamentável e condenável. Mas se o Galliano estivesse sendo julgado pela Suprema Corte dos Estados Unidos  ele seria absolvido sem dúvida nenhuma.

Há uma semana atrás a Suprema Corte americana apresentou a decisão relativa a um caso iniciado há alguns anos. O pai de um soldado morto no Afeganistão processou a Westboro Baptist Church pela demonstração durante o funeral de seu filho com os cartazes e gritos de ordem que diziam que os soldados não merecem perdão, que os gays devem morrer, e aquelas outras loucuras de sempre.

Mas a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu a favor da igreja, pois segundo a Corte a Westboro Baptist Chuch tem o direito de dizer o que quiser com base em um dos valores mais preciosos da sociedade americana: o direito à liberdade de expressão garantido pelo First Amendment. A ameaça a este valor máximo colocaria em risco um dos pilares da sociedade. Para a justiça americana não importa o quão abjeto, vil, cruel, e baixo seja o pronunciamento público - a liberdade de expressão ainda está acima da dor e da revolta que ele possa provocar.

Isto não significa que a Suprema Corte endossa estes atos baixos. A imprensa e a sociedade já se encarregam de repudiá-los. Isto é possível em sociedades avançadas porque há uma autorregulação natural, e a Suprema Corte pode se encarregar de proteger os mais altos e intangíveis valores enquanto a própria sociedade se encarrega de coibir as baixezas que esta liberdade permite. É assim que funciona uma sociedade democrática com instituições fortes e em pleno estado de direito.

7 comentários:

Paulo Braccini disse...

muito bom o contexto apresentado ... parabéns ...

Ivan Dias disse...

Você acha mesmo que a libertinagem maquiada de liberdade americana é tão evoluida assim?

cronicas gulosas disse...

Das sutilezas de uma sociedade realmente democrática...Aqui, jornais são impedidos de publicar verdades sobre o filho de um político. Lá, eles falam o que querem, mesmo sendo polêmico...

ADRIANO disse...

Pra mim a justiça de lá errou feio.
Liberdade de expressão não lhe dá o direito de discriminar alguém.E AINDA MAIS DURANTE O ENTERRO DO FILHO?!?!?!?!?!?!?!?
O PAI SEPULTANDO O FILHO E TER QUE ATURAR ESSA DEMONSTRAÇÃO DE ÓDIO???
Que distorção de valores são esses ?!

E esses grupos de ódio disfarçados de religião ? O quão baixo eles ainda podem chegar??
E o estado ainda proteger essa perseguição ao semelhante !

E se fosse um episódio de racismo ?
Então quer dizer que se um branco racista começar a ofender um negro em uma fila ou dentro de um lugar fechado é LIBERDADE DE EXPRESSÃO ??

BULLYING É LIBERDADE DE EXPRESSÃO??

David ®... disse...

americano é assim...aceitam uma coisa horrorosa como essa mas qdo a janet jackson paga peitinho na tv é considerada como algo a ser repudiada.

Paulo disse...

Olá luciano, seguindo esta ótica então podemos dizer que o que o reitor do mackenzie escreveu esta semana está correto e o que o pessoal fez lá protestando tempos atrás está totalmente errado porque feriu os principios de liberdade de expressão. Veja: http://www.mackenzie.br/cp2011.html

Luciano disse...

@Paulo:
O que a Suprema Corte americana fez foi analisar o ato do ponto de vista de "constitucionalidade" conforme o texto do First Amendment. Não houve juízo de valores.
Aqui no Brasil as coisas não são feitas assim.
O resultado aqui provavelmente seriam muito diferentes.
Abraço,
**