quarta-feira, 14 de julho de 2010

É o que temos para o momento?

É lamentável, para se dizer o mínimo, o início desta campanha presidencial. E pelo visto até agora o pior do circo ainda está por vir.

Fica evidente que os candidatos não estão nem aí para comprometimentos. Um programa de governo é só um documento pro forma para ser rasgado no dia seguinte à eleição. Depois de eleito faz-se o que der na telha mesmo.

PT continua com aquela ladainha que o Serra vai privatizar tudo, como se isso fosse necessariamente uma coisa ruim. Dá na gente uma preguiça mental enooooorme. Uma coisa tão anos 80! Tão poster-do-Che-Guevara na parede.

Serra tem na desorganização do próprio partido a maior pedra no sapato - para se eleger assim já é difícil, imagine então para governar. A coisa se enrolou a tal ponto que ele teve mesmo que engolir até um programa de índio.

Dilma manda avisar que aquela versão do programa não vale, que ela só "rubricou" e não "assinou". Então tá. Será que só eu tenho a impressão que injetaram guaraná em pó na veia desta mulher? Estas pessoas que vivem constantemente acima do tom me cansam tanto... (alguém manda desacelerar esta mulher, puh-lease!)

Enquanto isso a Marina corre de um lado para o outro feito uma barata tonta só rebatendo as declarações dos outros dois, ou desmentindo ou explicando as próprias.

Aécio, alardeado como a salvação da lavoura, fez que foi e acabou não fondo.

E o Lula resolveu que lei eleitoral só atrapalha. Lei boa é lei a favor da gente, lei que favorece os outros a gente deixa pra lá.

Nestas horas eu penso na Bolívia ou no Irã só para me lembrar que poderia ser muito pior. Será que é só isso mesmo que temos para o momento?

3 comentários:

cronicas gulosas disse...

Infelizmente, é o que temos para o momento. Confesso ter meeeeeedo da Dilma - ela tem cara de quem arranca a orelha do oponente a mordidas numa discussão, sorry! -, afora o fato óbvio de ser visivelmente manipulada pelo grande molusco. Aécio...meio oposição de boutique. Marina é uma montanha russa - altíssimos e baixíssimos. Sobra o Serra - e o Índio pode até ser uma boa surpresa nesta grande taba.

Clóvis disse...

Olha Luciano, confesso que (infelizmente) minha visão se assemelha muito da sua. Minha esperança está no fato de que em breve começam os debates e talvez (eu sou muito otimista) as coisas se tornem um pouco mais respeitáveis. Abraços!

Paulo Braccini disse...

o pior é que é isto mesmo o que temos ... eu já me decidi desde 2003 ... não voto mais ... ou melhor voto sempre no mesmo ... Senhor NULO! conhece?

bjux

;-)