terça-feira, 20 de setembro de 2011

Entendendo o mundo

Tem manhãs que a gente acorda e o mundo demora um pouco mais para fazer sentido. É quando eu me dou conta que vou precisar aumentar a dose de cafeína naquele dia. Como hoje, por exemplo.

Que o Bolsonazi tenha sido vaiado pelos alunos de uma universidade e tenha precisado de reforço policial para deixar o lugar é fácil de entender. O que é um pouco mais difícil é compreender o quê ele estava fazendo como convidado especial de um debate sobre homoafetividade.

9 comentários:

marcos guinoza disse...

Tem uma corrente que acredita que deve-se ouvir o "outro lado", dar voz ao homofóbico, para saber o que ele pensa. Mas, no caso do Bolsonarossauro, todo mundo já sabe, né? E isso só acaba dando "ibope" pro cara. Lamentável.
Abs.

Lobo disse...

O pessoal da república aqui tinha me falado sobre esse absurdo. Pensei em ir lá ajudar a maldizer o maldito, mas minha monografia não permitiu...

Fernando disse...

Vocês realmente acham que os alunos não chamaram o cara sob o pretexto de "ouvir os dois lados" (o que é, sinceramente falando, razoavelmente justo e democrático) para fazer algo que fizeram? Claro, é curso de direito, sempre tem um ou outro reaça (filho de desembargador, filho de Dr. Menezes-Cortes-Silva-e-Silva). Pessoal da UFF honra a mais antiga das tradições da esquerda das universidades federais, meus caros! ;)

Diego Rebouças disse...

Mas o outro lado precisa ser algo tão estereotipado quanto ele?

DPNN disse...

Aqui no Brasil costuma haver debate só entre pessoas que concordam, acho isso engraçado... Achei a presença dele algo normal, o que eu considero anormal foi a reação que tiveram contra o cara, por mais boçal que ele seja, esse tipo de reação só serve para reforçar o seu discurso.

Fernando disse...

@DPNN: Concordo sobre a parte do debate, mas discordo sobre a parte da reação.

Afinal, seria muito fácil tomar posição/posição política sobre as coisas se a gente não sofresse nenhuma consequência ou reação por parte das outra pessoas sobre isso, néam?

TONY GOES disse...

Bolsonaro é um LOSER e é assim que deve ser tratado. Sua presença numa universidade só confirma que os jovens lhe têm ojeriza, e os jovens são o futuro.

Sempre vão sobrar uns malucos que apoiarão seres parecidos, mas a médio prazo Bolzonazi e suas ideias estnao com os dias contados. Devemos ter por ele o mesmo respeito que teríamos por um escravocrata.

Papai Urso do Interior disse...

Pena que foi numa faculdade, tão bom que fosse próximo duma quitanda, assim ia ter tomate e ovo à la vontée pra hidratar a pele do rosto dele! Nonsense total. Brucutu-bostanazi que ainda vive na era do "homossexual-ISMO" fazendo o main guest de um evento civilizado que trata de homoafetividade? Tipo, como assim? Só mesmo fazendo coro ao lula-molusco:

I knew I shouldn't have gotten out of bed today [2]

Cara Comum disse...

Quam fala que deveríamos "ouvir o outro lado" pensando que não gostaria de ser taxado de "antidemocrático" devia pensar que não se ouve o lado do estuprador, do assassino e do pedófilo quando ele confessa o crime cometido. Ou alguém espera que um estuprador possa convencer a sociedade de que o estupro é bom??

Nem a tal liberdade de expressão e o direito a voz e vez numa democracia podem ser pretextos para que se espalhem ideias ofensivas e criminosas.

Se querem abordar o lado dos opositores aos avanços dos direitos LGBT, que se chamem pessoas com mais autoridade para isso (um advogado que se embase na lei para sustentar seu discurso contra a homoafetividade e não em seus preconceitos). O difícil vai ser arrumar alguém que, lucidamente, consiga defender esse ponto de vista sem ser contrário a leis como a igualdade dos cidadãos e outras do gênero...

Misturar no mesmo discurso leis com preconceitos pessoais leva a algum lugar??

Abraços!!