quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Buenos Aires hoje

Kevin Johansen
Na última vez que estive na Argentina o assunto que mais me chamou a atenção foi a batalha jurídica que um casal gay estava travando para tentar se casar e obter os mesmos direitos dos casais héteros. Na época eu mandei um e-mail daqui para o Tony que fez uma postagem sobre o assunto. Ontem, ao chegar à Argentina, a primeira coisa que cruzou a minha mente foi: estou em um país onde duas pessoas do mesmo sexo podem se casar da mesmíssima forma que casais heterossexuais fazem há séculos, e obter os mesmos direitos. É uma sensação incrível olhar em volta e pensar: neste país os gays não são cidadãos de segunda classe!

Ao sair para a primeira caminhada, quase tive um ataque cardíaco ao descobrir que Kevin Johansen faz show único na cidade justamente hoje, após retornar de uma turnê pela Europa! Logo que vi ontem o primeiro cartaz do show corremos até a bilheteria do Gran Rex e compramos o ingresso. Vai ser uma delícia encerrar o dia de hoje vendo o bonitão de perto. Eu não poderia ter esperado uma semana de aniversário melhor!!

Acho que ningém cantou melhor o caso de amor secreto entre brasileiros e argentinos do que Kevin Johansen na belíssima Glass (I"m So Brazilian) - escrita em forma de diálogo, que ele interpreta com a Paula Toller. Brasileiros e argentinos sempre se admiraram em segredo enquanto em público fingem se odiar. Existe uma admiração recíproca inconfessada, uma vontade de ser o outro, que nenhum dos dois lados revela.

Kevin Johansen & Paula Toller - Glass (I'm So Brazilian)


The Argentinian: "You seem to touch things, turn them into gold. If I try the same thing they turn into stone".
The Brazilian: "You're so resilient. You don't break at the seams. And I'm so Brazilian - always on extremes".
Both: "And I seem to break like glass. I break just like that..."
The Argentinian: "You stir opinion by raising just a brow. But I'm Argentinian and I'd like to know how".
The Brazilian: "How without effort things seem to go your way. While it's such a struggle and I just seem to break..."

(a gravação ao vivo, que também é linda, está aqui com legendas em português).

Apesar do nome, Kevin Johansen tem alma bem argentina. Filho de pai americano e mãe argentina, nasceu no Alasca mas a partir dos 12 anos fixou-se com a família em Buenos Aires. E tem uma voz de provocar arrepios na espinha. Meus sonhos para hoje à noite depois do show já estão reservados.

7 comentários:

Papai Urso do Interior disse...

Invejinha do bem de vc, tá? Que homem é esse Kevin Johansen, hein?! Carinhas safadas com barbinhas de uma semana me derretem a alma... Pela estampa já quero ouvir tudo que ele tem de carreira musical, se for tão bom como a embalagem totosa, será amor à primeira audição...

[ joe ] disse...

que delicia de coincidencia! e que bacana saber do clima por ai, dessa aceitação toda! invejinha dos argentinos.

que voz é essa, hein? arrepios na espinha, definição apropriada. e amo paula toller.

divirta-se muito!

[j]

Paulo Braccini disse...

deliciosa coincidência querido ... desfrute de todos os arrepios na espinha possíveis e imagináveis ... rs

;-)

marta matui disse...

Eu adorava Kevin Johansen... mas isso foi antes de um argentino partir meu coração em mil pedacinhos... agora já sarei, acho que posso ouvir de novo, rs.

Rodrigo disse...

eu amo ele, e muito.

eike exagero, ta.

Introspective disse...

o Kevin é um gostoso! muy buen lomo! ;)

TONY GOES disse...

Já te mandei felicitaciones pelo dia de hoje via Facebook, mas nunca é demais repetir:

Alles Gut zum Geburstag!

Ah, e o Kevin... quando o descobri, em 2003, rezei a todas as divindades pré-colombianas para que ele fosse gay. Não é, mas me parece simpatizante. E seu som é bem legal: tenho quase todos os discos dele. Aproveite o show de hoje!