domingo, 7 de novembro de 2010

Manual de sobrevivência para o Natal

Para muita gente o Natal não é esta maravilha dos comerciais de televisão. Nem todo mundo consegue passar o Natal confraternizando alegremente com a família e ouvindo as músicas da Susan Boyle. Para muita gente, a simples aproximação do Natal já dispara um certo desespero só de imaginar a cena: a cidade com trânsito caótico, as pessoas naquela inexplicável correria de final de ano, a festinha de confraternização da firma com todos aqueles mesmos chatos do ano inteiro só que agora bêbados, o almoço de família com as tias de olhares acusadores e sobrinhos correndo em volta da mesa enquanto o mais novo tenta atear fogo no rabo do cachorro e o mais velho quase se afoga na piscina. Em resumo, tem vezes que o maior desejo no Natal é que ele passe logo e que venha janeiro.

Se você é destes que não conseguem entrar no espírito natalino, esqueça o disco da Susan Boyle. O presente ideal neste caso, para quem fala inglês, é um exemplar de The Atheist's Guide To Christmas, uma coleção hilária de crônicas escritas por diferentes escritores que oferecem boas dicas e soluções de como sobreviver ao Natal com um pouco da sanidade intacta. Eu recomendo a versão em audiobook, que tem as crônicas lidas pelos próprios autores, e pode ser comprada e baixada na hora se você tiver uma conta no iTunes - por menos de 10 dólares! Existe também a edição em iBook para ser lida no iPad, iPod touch, iPhone ou Kindle, que sai na Amazon inglesa por £ 2.98. Que venha o Natal!

6 comentários:

marta matui disse...

Oba, vou ler escutando o disco da Susan Boyle!

[ joe ] disse...

é, eu sou desses. natal pra mim é época de tormento.
amigo oculto, gente cheia de 'amor e bondade' com todo mundo, tudo muito vermelho, papai noel de todos os tipos pra todos os lados, todos dizendo feliz natal uns aos outros a toda hora, ai socorro!
pavor de natal! talvez este livro seja uma boa, mesmo.

boa semana!

[j]

cronicas gulosas disse...

Já baixei, e vou lê-lo dia 24/12!
Abs

Gui disse...

Odeio natal. Odeio eventos familiares. Sempre dá merda.

Lobo disse...

Opa! Esse é pra mim hahaha!

Natal pra mim é a materialização do inferno na terra. Só me trás dor de cabeça. Eu prefiro ver pessoas sendo malignas todo o tempo do que ter que aturar aquela baboseira e falsidade de espírito natalino e bondade temporária todos os natais, e todos aqueles especiais de natal melosos e açúcarados, e família reunida com todo mundo fingindo que se gosta... Blearg!

Beijos Lú!

Papai Urso do Interior disse...

Só consigo gostar do significado que ninguém mais lembra, aquelas coisas beeeem felizes da infância: a ansiedade sobre o que traria o bom velhinho no seu saco (?!), o pinheirinho de plástico furreca, mas lindo, todo iluminado, a missa noturna (interiorano assumido, tá?!)... Já na fase adulta, só chateação, é o primeiro parágrafo do seu texto sem tirar nem p^r, rsrs... - muito caos, muita hipocrisia familiar, ter às vezes de dizer coisas bonitas e abraçar quem na verdade te quer ver na m***... rsrs... truly, Susan Boyle não estará MESMO no meu CD-player! rsrsrs... Torço por janeiro, mas antes com escala num reveillón puro luxo pro daddy bear...